10 de agosto de 2022
Levantamento

Caged aponta crescimento de 150% na geração de empregos em Goiás

Dados são referentes ao mês de março, comparado ao mesmo período do ano anterior
38.084 empregos foram gerados em Goiás no primeiro trimestre de 2022. Foto: EBC
38.084 empregos foram gerados em Goiás no primeiro trimestre de 2022. Foto: EBC

Foram gerados, em Goiás, segundo levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (29), 38.084 empregos formais, com carteira assinada, no primeiro trimestre de 2022. O número é o resultado, de acordo com o Executivo estadual, de 226.164 admissões ante 188.080 desligamentos no período.

No mês de março, o estado registrou, ainda, o saldo de 8.355 novas vagas, o que representa um aumento de praticamente 150% em relação ao mesmo período do ano de 2021. Esse resultado é fruto de 75.022 admissões ante 66.667 desligamentos. O setor de Serviços, fortemente prejudicado durante os dois anos de pandemia da Covid-19, está se recuperando e liderou este mês com saldo de 3.158 vagas, seguido de Construção, com 1.822, Indústria, com 1.438, Agropecuária, com 1.300, e Comércio, com 637.  

“É o ano da retomada. O ano da virada. De cada vez mais, abrir espaço para que tenhamos novas indústrias, novas áreas absorvendo a demanda de trabalhadores que no período da pandemia, ou por outros problemas, têm déficit na renda ou estão desempregados. E mostrar que Goiás é um Estado não só promissor, mas é hoje, a melhor expectativa de empresas que chegam e que querem se instalar aqui”, destaca o governador Ronaldo Caiado.

Continua após a publicidade

Com os dados acumulados de janeiro a março, Goiás ocupa a primeira posição na Região Centro-Oeste e mantém a 6ª posição nacional, ficando atrás apenas de São Paulo (176.151), Santa Catarina (64.038), Minas Gerais (62.421), Rio Grande do Sul (56.337) e Paraná (56.225). 

Já no período acumulado do ano (janeiro a março), o setor de Serviços segue na ponta com 17.982 novos empregos, seguido por Agropecuária (7.211), Construção (5.792), Indústria (4.798) e Comércio (2.301). Apenas o setor agropecuário obteve crescimento de 25,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Os segmentos que mais contribuíram para a contratação de mão de obra formal no agro foram o de produção de lavouras temporárias, com 4.105 vagas, e atividades de apoio à agricultura e à pecuária, com 2.622 empregos. 

De acordo com o titular da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, o agro está em plena atividade, o que tem movimentado contratações ao longo deste ano. “É desde a colheita de grãos, no começo de 2022, passando pelo plantio da safrinha de milho e de outras culturas, como sorgo e girassol, até o início do plantio da safra novamente. É um setor dinâmico, que ao longo do ano contribui para a geração de emprego no Estado”, enfatiza. 

Continua após a publicidade

Secretário de Estado de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Joel Sant’Anna comemora os resultados do Caged. “O que temos no mês de março de 2022, do ponto de vista do crescimento comparado com 2021, é algo significativo e importante, já que no ano passado batemos recorde histórico de vagas. Então, a tendência é chegarmos no final do ano com um número ainda mais expressivo”, destaca. 

Entre os municípios que mais geraram empregos no mês de março, destaque mais uma vez para Goiânia, com 1.762 novas vagas, seguido por Cristalina, com 1.279, Anápolis, com 868, Aparecida de Goiânia, com 768, e Santa Helena de Goiás, com 595.