18 de abril de 2024
Violência • atualizado em 20/02/2024 às 17:38

Briga de jogo online teria motivado morte de adolescente esfaqueado, em Anápolis

A briga aconteceu em frente ao Colégio Estadual Leiny Lopes de Souza, incentivada pela mãe de dois adolescentes, resultando na morte do garoto de 14 anos e ferimentos em outros dois, de 12 e 15 anos
O adolescente morto foi esfaqueado por outros dois jovens e a mãe deles. Foto: Reprodução/PMGO
O adolescente morto foi esfaqueado por outros dois jovens e a mãe deles. Foto: Reprodução/PMGO

Um adolescente de 14 anos morreu e outros dois, de 12 e 15 anos, ficaram feridos após briga em frente ao Colégio Estadual Leiny Lopes, em Anápolis, na manhã desta terça-feira (20). Conforme informações da Polícia Militar de Goiás (PMGO), a motivação do crime foi uma briga por conta de jogo online, na noite anterior.

A briga aconteceu ao final das aulas, em frente ao Colégio Estadual. De acordo com o delegado Ulisses Valentim, a desavença começou na noite de segunda-feira (19), quando o jovem esfaqueado proferiu ofensas contra os outros adolescentes durante uma live no Instagram no jogo Free Fire.

Por conta da briga, combinaram um acerto de contas no dia seguinte. O garoto ofendido, então, acompanhado da mãe e do irmão mais velho, atacaram os três jovens com uma faca e um martelo, resultando na morte do adolescente de 14 anos e em ferimentos nos outros dois, de 12 e 15 anos.

No vídeo divulgado pela PMGO é possível ver a mulher e os dois garotos aguardando as vítimas para executar a ação. O adolescente morreu no local e os outros dois foram encaminhados pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para o Hospital de Urgência de Anápolis (Heapa). A mulher e seus dois filhos, um deles menor de idade, foram conduzidos à delegacia onde confessaram o crime.

Em nota ao Diário de Goiás, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) lamentou o ocorrido e esclareceu que a briga aconteceu, de fato, fora da unidade educacional e motivada por assuntos pessoais. A Secretaria informou que a Superintendência de Segurança Escolar e Colégio Militar da Seduc se deslocou para Anápolis, para acompanhar o atendimento dos envolvidos, da escola e o trabalho das autoridades policiais.

A pasta ainda acrescentou que a equipe do Núcleo de Saúde e Segurança do Servidor e do Estudante da Seduc já acompanha o caso, de modo a prestar assistência e apoio à escola e, em especial, aos estudantes e suas famílias.


Leia mais sobre: Anápolis / Cidades

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.