27 de junho de 2022
Esportes

Atacantes vivem seca, e Flamengo atravessa período de poucos gols

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo
Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

BRUNO BRAZ
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – Foi preciso que o zagueiro Luiz Gustavo fizesse um gol contra para que o Flamengo arrancasse um empate contra o Vasco no último sábado (15). Com atacantes vivendo um período de seca, o rubro-negro tem uma média de menos de um gol por jogo considerando as últimas dez partidas.

Continua após a publicidade

Foram apenas nove tentos marcados, sendo que em três duelos o time da Gávea deixou o campo com o placar em branco. Neste período, apenas Vitinho -entre os atacantes- marcou uma vez, na derrota por 2 a 1 para o Internacional. Everton Ribeiro, que é mais um meia-atacante, fez dois.

Contratado para ser a referência na frente em função de seus bons números pelo Toluca (MEX), Uribe ainda não engrenou. Foram 13 partidas disputas até aqui e apenas um gol.

“Todos os atacantes trabalham, estão buscando melhorar. Em função das características, entendemos que Uribe poderia ajudar mais. Acho que no lance do gol até o Luiz Gustavo cabeceia contra porque o Uribe estava atrás dele. Temos que buscar soluções para que não só eles, mas a equipe construa mais para conseguir resultados”, avaliou o técnico Mauricio Barbieri.

Continua após a publicidade

O treinador ressaltou que tem trabalhando no dia a dia em cima na questão, mas acredita que isso não seja um problema exclusivamente dos atacantes:

“A gente já buscou alternativas, usamos Vitinho ali, terminamos com dois centroavantes… Precisamos gerar situações melhores, e eles também aproveitarem melhor quando tiverem oportunidade. O problema não é só deles”.

O Flamengo terá uma semana inteira para trabalhar e enfrenta o Atlético-MG somente no próximo domingo no Maracanã.