16 de abril de 2024
Economia

Arrecadação federal em janeiro é a maior da história; superior a R$ 280 bilhões

A alta foi de 6,67% em relação ao mesmo período de 2023, o melhor número registrado pela Receita Federal na série histórica iniciada em 1995
O aumento da arrecadação de impostos se deve a mudanças na taxação de fundos, reoneração de combustíveis, aumento dos salários e outros fatores. Foto: Reprodução
O aumento da arrecadação de impostos se deve a mudanças na taxação de fundos, reoneração de combustíveis, aumento dos salários e outros fatores. Foto: Reprodução

Neste mês de janeiro de 2024 a arrecadação federal do Brasil, com impostos e outras receitas, atingiu a maior alta da série histórica iniciada em 1995, registrada pela Receita Federal (RF). O país bateu R$ 280,63 bilhões, número que representa aumento de 6,67% em relação a janeiro de 2023.

Considerando as receitas administradas pela Receita Federal, o valor arrecadado no mês passado ficou em R$ 262,87 bilhões, representando acréscimo real de 7,07%. Conforme os dados do fisco, o desempenho recorde alcançado se deve ao comportamento dos indicadores econômicos, entre eles, destaque para a ampliação dos salários e do valor das importações.

Ainda de acordo com a RF, um dos fatores que colaborou para o aumento foi o crescimento na arrecadação de Imposto de Renda sobre o rendimento de capital, devido a nova lei que alterou a taxação de fundos exclusivos e offshore, conhecidos como paraísos fiscais. A mudança permitiu o pagamento antecipado pelos investidores, o que rendeu R$ 4,1 bilhões, impactando no aumento da arrecadação no mês de janeiro em relação aos anos anteriores.

Por fim, a melhora da arrecadação de PIS/Cofins pela reoneração de combustíveis também impactou positivamente para os números. Além disso, foi considerado a alta no pagamento de impostos sobre a rentabilidade de empresas, que gerou alta de 7,07% comparando com janeiro de 2023. Os dados favorecem a liberação de verbas para o governo federal, que serão utilizadas em demandas dos ministérios.

Com informações da Agência Brasil e Folha de S.Paulo


Leia mais sobre: / / Economia

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.