30 de junho de 2022
Política

Arquivado pedido para instaurar CPI do Transporte Coletivo na Assembleia Legislativa

Deputado reclamou do arquivamento de pedido para instalar CPI. Foto: Alego
Deputado reclamou do arquivamento de pedido para instalar CPI. Foto: Alego

Foi arquivado nesta quarta-feira (10), requerimento para criar Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa de Goiás que visava investigar a prestação do serviço de transporte público de Goiânia. O pedido foi arquivado por não ter o mínimo de 14 assinaturas.

O requerimento apresentado pelo deputado Estadual Delegado Eduardo Prado contava com as assinaturas dos deputados Alysson Lima, Amauri Ribeiro, Del. Adriana Accorsi, Del. Humberto Teófilo, Chico KGL, Hélio de Sousa, Iso Moreira, Jeferson Rodrigues, Rafael Gouveia, Talles Barreto, Leda Borges, Major Araújo, Wilde Cambão e Zé Carapo.

No entanto, o presidente Lissauer Vieira (PSB) comunicou a Eduardo Prado que Iso Moreira e Chico KGL, ambos do DEM retiraram suas assinaturas do requerimento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Coletivo. Segundo o regimento, sem o número mínimo de assinaturas o requerimento não é apreciado e automaticamente encaminhado para arquivo.

Continua após a publicidade

“Acredito que houve uma pressão para que os dois parlamentares retirassem as assinaturas. Infelizmente, não temos governantes com pulso firme para enfrentar os empresários do transporte público que desprezam os cidadãos goianos”, lamenta Prado.

O deputado Alysson Lima (Solidariedade) disse que “a CPI do Transporte Coletivo morreu porque dois deputados retiraram as suas assinaturas e isso é imoral”. Alysson condenou quem retirou a assinatura da CPI. “Eu jamais retiraria minha assinatura. Essas empresas são uma máfia, formam um oligopólio e tudo isso precisa ser investigado. O deputado Eduardo Prado está correto em querer investigar”, finalizou

CPI da Segurança

Continua após a publicidade

Se por um lado, a CPI do Transporte Coletivo foi arquivada, por outro, o deputado Talles Barreto tem intensificado discurso para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar o caso de denúncias envolvendo o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda (afastado do cargo), e o primo do governador, Jorge Caiado.

“Pedi para minha assessoria encaminhar a minuta da CPI para todos os parlamentares. Peço que assinem, pois é muito importante. Não podemos nos ausentar. Temos que nos aprofundar nisso. Temos aqui, na Assembleia Legislativa, três delegados de polícia que vão participar da CPI. É urgente que a Casa participe das investigações também.”, disse.