01 de março de 2024
Brasília • atualizado em 14/12/2023 às 09:08

Após sabatinas, Flávio Dino é aprovado para o STF e Paulo Gonet à PGR; veja como foi votação

Após aprovação na CCJ, 47 senadores votaram à favor do nome de Dino e 65 à favor de Gonet
Flávio Dino e Paulo Gonet foram sabatinados nesta quarta-feira (13). (Fotos: reprodução/Agência Brasil)
Flávio Dino e Paulo Gonet foram sabatinados nesta quarta-feira (13). (Fotos: reprodução/Agência Brasil)

Indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Lula (PT), o ministro Flávio Dino (Justiça), de 55 anos, foi sabatinado e aprovado nesta quarta-feira (13), junto ao indicado ao cargo de procurador-geral da República (PGR), Paulo Gonet. Dino teve 17 votos favoráveis e 10 contra sua nomeação e Gonet 23 contra 4. Após isso, com a votação do plenário, a vitória também foi garantida.

Dos presentes, 47 senadores votaram à favor do nome de Flávio Dino e 65 à favor de Gonet. Contra a indicação de Dino, foram 31 e, contra Gonet, 11 votos. Para a votação de Dino houve duas abstenções e, de Gonet, apenas uma. A sabatina com os dois candidatos foi realizada de forma simultânea e em formato inédito.

Durante a sabatina, que ocorreu sem problemas, inclusive até com momentos de descontração no caso de Dino, alguns dos principais pontos marcaram o evento. Em sua fala inicial de dez minutos, por exemplo, o atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, destacou que é comum políticos irem para supremas cortes, mas ponderou que as atividades do juiz e do político são de natureza diferente. Indicado ao Supremo Tribunal Federal, em sessão na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), Dino enumerou os princípios que deverão conduzir sua atuação no STF.

Leia também: Ronaldo Caiado diz que votaria a favor da indicação de Flávio Dino ao STF

Em outro momento, Dino reforçou que um juiz não assenta a sua legitimidade no carisma pessoal. “Um juiz deve assentar a sua legitimidade no cumprimento das normas e no respeito às tradições porque é daí que o Poder Judiciário pode extrair a sua isenção aos olhos da sociedade. Discrição e ponderação são deveres indeclináveis de um magistrado, diferente da forma como os políticos atuam. São funções diferentes”, afirmou.

O ministro da Jutiça também garantiu que não há problema no fato de um político ir para o STF e lembrou que políticos foram conduzidos às supremas cortes dos Estados Unidos e do Brasil. “No Brasil, nós temos também uma longa linhagem de parlamentares, deputados, senadores e ex-governadores que tiveram a honra de figurar no STF e agregar saberes nascidos dessa prática para que a Suprema Corte possa dirimir os conflitos ali submetidos”, acrescentou.

Do outro lado, um dos momentos que marcaram a sabatina de Paulo Gonet, foi quando ele afirmou que não há direitos absolutos e que a liberdade de expressão pode ser restrita se entrar em atrito com outros direitos fundamentais. “A liberdade de expressão, portanto, não é plena. A liberdade de expressão pode e deve ser modulada de acordo com as circunstâncias. Por exemplo, o senhor não vai ter uma liberdade de expressão plena no âmbito comercial. Há limitações para o que se pode afirmar num informativo, numa índole publicitária”, exemplificou.

“Há certas limitações à liberdade de expressão que servem a este propósito: garantir a legitimidade das eleições, na medida em que não se expõe o eleitor a uma informação que não pode ser contrariada, que não pode ser contraposta e que acaba terminando por viciar a vontade do eleitor nesse momento tão crítico”, concluiu o indicado.

Depois da sabatina, ocorreram as duas votações, uma na CCJ e outra no plenário do Senado. Nas duas etapas, a votação é secreta, ou seja, não é possível saber como cada parlamentar votou, apenas o placar geral do resultado. As regras, ante a isso, para preencher a vaga do STF os requisitos são apenas as de ter idade superior a 35 anos, notável saber jurídico e reputação ilibada.

Com informações da Agência Brasil

Matéria atualizada às 22h25 para acrescentar que o Senado aprovou os nomes de Flávio Dino Para o STF e paulo Gonet para a PGR


Leia mais sobre: / / Política

Carlos Nathan Sampaio

Jornalista formado pela Universidade Federal e Mato Grosso (UFMT) em 2013, especialista Estratégias de Mídias Digitais pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação de Goiânia - IPOG, pós-graduado em Comunicação Empresarial pelo Senac e especialista em SEO.