24 de maio de 2024
Repercussão • atualizado em 18/10/2023 às 18:46

Após crise na coleta de lixo, prefeito anuncia aumento do número de caminhões e novas licitações

Rogério Cruz declarou que já está sendo preparada uma licitação para contratação de 30 novos caminhões e anunciou início de uma ação emergencial com 40 veículos em operação
Prefeito declarou que a coleta de lixo na capital será normalizada até o próximo domingo (22). Foto: Reprodução
Prefeito declarou que a coleta de lixo na capital será normalizada até o próximo domingo (22). Foto: Reprodução

Após desdobramentos da crise na coleta de lixo em Goiânia, o prefeito Rogério Cruz (Republicanos) anunciou que a Comurg disponibilizou 40 caminhões, da própria companhia, que já estão em operação. Em entrevista à Rádio CBN, nesta quarta-feira (18), Cruz afirmou que a coleta será normalizada até domingo (22) e que a prefeitura prepara uma licitação para contratação de mais 30 caminhões novos, provenientes de aluguel.

Com a repercussão das queixas de acúmulo de lixo nas ruas da capital e reclamações de falta de coleta por mais de dez dias consecutivos, o prefeito esclareceu que o problema foi devido a manutenção dos veículos da Comurg. De acordo com ele, a nova leva de veículos já está em operação nas ruas.

LEIA TAMBÉM: Deputado banca caminhão coletor para ajudar na limpeza de Goiânia

Segundo Cruz, a limpeza da capital, agora, está sendo feita com o dobro de caminhões. “Para essa situação emergencial, hoje começamos a trabalhar com 40 compactadores nas ruas, nos três turnos. Estávamos, nos últimos dias, com apenas 20, quer dizer, dobramos o número de veículos na coleta e acredito que até domingo o serviço já estará em dia”, afirmou o prefeito.

Por fim, informou que já está sendo preparada outro processo de licitação definitiva para resolver de vez o problema de coleta. Assim sendo, uma empresa será contratada para assumir o serviço e se responsabilizará pela coleta de lixo da capital.

O prefeito fez questão de destacar que os problemas associados à limpeza da cidade não são recentes e se estendem há anos. “A Comurg não é a Prefeitura, é uma empresa de economia mista. Antes, existia um modelo de contrato com a Prefeitura que não era muito bem aceito juridicamente. Remodelamos esse contrato, com todas as descrições corretas do trabalho da Comurg, fizemos ajustes, e temos cobrado diariamente as soluções para todos os problemas encontrados”, acrescentou Cruz.


Leia mais sobre: / / / / Cidades

Luana Cardoso

Luana

Estagiária de Jornalismo do convênio entre a UFG e o Diário de Goiás.