18 de agosto de 2022
Cidades

Após 9 dias sem eletricidade, produtor rural de Piracanjuba contabiliza vários prejuízos

Um produtor de leite da cidade de Piracanjuba chegou a ficar nove dias sem energia em sua propriedade rual, que fica a 6km da área urbana da cidade.

Segundo André Dias, a interrupção no fornecimento de eletricidade é recorrente, mas jamais havia chegado a esse ponto. “Foi desesperador”, comentou.

Os prejuízos, é claro, foram muitos. Para não perder o leite, Dias precisou de dois tambores com 20 litros de gasolina diários para manter o gerador ligado e assim garantir o funcionamento do tanquinho de leite, ordenha e do poço artesiano. “A bomba d’água queimou duas vezes. A bomba a vácuo da ordenha também queimou”, completou.

Continua após a publicidade

Mais que o prejuízo financeiro, Dias precisou encarar transtornos frequentes quando buscava respostas da Enel. Conforme relatou, foram vários protocolos abertos na empresa, com média de quatro ligações diárias no telefone da fornecedora.

Quando a empresa enviava equipes para restabelecer a eletricidade, o produtor conta que nem sempre os problemas eram resolvidos com efetividade. “Ligavam uma chave da rede elétrica 34 e voltavam, sem saber se a energia tinha voltado aos produtores. Está errado a forma como a empresa presta seus serviços. Eles atendem o protocolo designando a ligar tal chave e em tal poste e pronto. Não percorrem a rede, não verificam se a energia voltou. Um absurdo”, reclamou.

Dias, além de produtor de leite, é cirurgião dentista e contou que há vários anos a cidade enfrenta problemas como a energia de má qualidade. “Não pode chover que a energia acaba”, relata. “Sem falar nas idas e vindas da energia, o que faz queimar eletrodomésticos e aparelho”, disse.

Continua após a publicidade

Proprietário de uma clínica odontológica em Piracanjuba, Dias avalia a possibilidade de aquisição de um gerador para poupa-lo de mais prejuízos. “Imagina eu fazendo uma cirurgia de implante, com o uso de motor, e a energia acabar e ficar horas sem chegar. Está ficando inviável trabalhar sem gerador”, destaca.

André Dias está acionando a Enel judicialmente para garantir que os prejuízos causados pelas frequentes interrupções no fornecimento de energia elétrica sejam integralmente ressarcidos.