16 de abril de 2024
Combate à dengue

Aparecida de Goiânia realiza força tarefa no combate à dengue

A Prefeitura de Aparecida de Goiânia iniciou uma mobilização de combate ao mosquito transmissor da dengue na manhã desta quinta-feira (22)
Serão três dias de trabalhos intensos envolvendo mais 200 profissionais que deverão visitar cerca de 11 mil imóveis (Foto:Rodrigo Estrela/Secom)
Serão três dias de trabalhos intensos envolvendo mais 200 profissionais que deverão visitar cerca de 11 mil imóveis (Foto:Rodrigo Estrela/Secom)

Devido ao período chuvoso, a prefeitura de Aparecida de Goiânia, em parceria com a secretaria de saúde, iniciou na manhã desta quinta-feira, (22), o trabalho “Unidos Contra o Aedes” para combater o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya na região do Buriti Sereno. O encontro aconteceu no ginásio da Escola Municipal Levina Martins Vieira de Oliveira e contou com a presença dos criadores do projeto, prefeito Vilmar Mariano, secretário municipal de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães e o secretário-adjunto Sérgio Vencio, da secretaria estadual de Saúde da cidade.

Aproximadamente 100 agentes de endemias da secretaria de saúde(SMS) foram para as ruas do Buriti Sereno I, II, III e V, batendo nos portões das casas, visitando comércios e outros estabelecimentos, a equipe conversou com a população e mostrou o quanto a participação deles são importante no combate ao mosquito. Falou sobre os riscos e o preocupante número de infectados. A expectativa é a de visitar cerca de 11 mil imóveis nos três dias deste mutirão.

A organização envolve ainda profissionais de outras secretarias municipais, como as de Desenvolvimento Urbano, Meio Ambiente e Educação, e tem o apoio da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO) e da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. Os profissionais estão mobilizados de forma planejada nas fiscalizações, roçagem e limpeza de locais, borrifação de veneno e na coleta de pneus descartados incorretamente.

Vacinação contra a dengue.

No primeiro dia do mutirão, a vacinação contra a dengue está sendo realizada para crianças de 10 e 11 anos tanto no ginásio da Escola Municipal Levina Martins Vieira de Oliveira quanto em uma sala dentro da escola para os alunos. A imunização está disponível para toda a comunidade da região. Para receber a vacina, é necessário apresentar documentos pessoais (Certidão de nascimento ou RG e CPF ou Cartão SUS), o cartão de vacinação e as crianças devem estar acompanhadas por um responsável maior de idade.


Compromisso com a sociedade.

O prefeito Vilmar Mariano elogiou o desempenho e esforço de todos que participaram e destacou o trabalho dos agentes de combate às endemias (ACE’s) e reforçou que toda a população deve contribuir para evitar focos do mosquito transmissor. “Esses profissionais são fundamentais. Mas estamos em guerra contra a dengue e essa é uma luta de cada um de nós. A responsabilidade começa na criancinha e termina no prefeito.” concluiu.

O secretário Alessandro Magalhães falou que o momento exige ampla mobilização e conscientização social, informou que “atuamos de forma planejada há meses, além das atividades de rotina. Aprimoramos fluxos e a rede para dar assistência rápida e eficiente aos doentes e continuamos intensificando as estratégias de combate aos focos e de sensibilização dos moradores e comerciantes.” Alessandro.

“Peço a toda a população para contribuir com o bem-estar social. Esse dia é para isso: vamos prevenir e vamos limpar o nosso quintal.” Reforçou O secretário Sérgio Vêncio.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Aparecida, Fábio Ideal, reforçou a participação de todos. “Moradores, comerciantes, políticos de Aparecida, a gente precisa assumir essa responsabilidade, desempenhando nosso papel para destruir esse mosquito e manter a nossa qualidade de vida.”

“Dizemos à comunidade para que nos ajude nessa missão. Nosso pessoal está trabalhando incansavelmente e todos devem somar forças contra uma doença que pode ser evitada com boas práticas”. A superintendente de Vigilância em Saúde, Daniela Fabiana, completou.

O coordenador de Vigilância Ambiental e Zoonoses de Aparecida, Edson Fernandes, que acompanha os trabalhos, ressaltou que os ACE’s se uniram ao corpo de bombeiros e estão nas ruas, conscientizando e destruindo criadouros do mosquito. “É um exército pela vida. Escolhemos o Buriti Sereno por ter o maior índice de casos confirmados de dengue, e, graças ao esforço planejado e às parcerias, seguimos avançando nesse combate por toda a cidade.”

Moradores conscientes.

O morador Paulo Sérgio Miguel elogiou o trabalho. “Essa é uma ação muito importante e eu acredito que todos os governos deveriam fazer isso para a comunidade. Aparecida está de parabéns também porque sempre os agentes passam por aqui combatendo essa praga da dengue. Aqui somos muito conscientes quanto a isso. Nós cuidamos das nossas casas e faço tudo o que posso.”

José Antônio Rosa Leite, que reside há mais de 30 anos no Buriti Sereno, também comemorou: “Ótima essa ação da Prefeitura porque o mosquito mata ou deixa as pessoas muito mal, até acamadas. Na minha casa, eu cuido demais, não deixo água parada, cato o lixo e boto em uma sacola para o lixeiro levar. O governo faz a parte dele, mas as pessoas têm que fazer também. Tem que se cuidar senão o bicho pega!”

A baixa procura pela vacina.

A respeito da vacinação de crianças de 10 e 11 anos contra a dengue, Renata Cordeiro, coordenadora de Imunização, mencionou que no momento, além das 38 salas de vacinação da cidade, também estão sendo realizadas vacinações em quatro escolas locais. Contudo, a procura pelo serviço ainda é considerada baixa.
Em uma semana desde o início da campanha, apenas cerca de 1600 doses foram administradas, ficando aquém da expectativa de imunizar entre 4 e 5 mil crianças nesse período. Nesse sentido, há um apelo aos pais e responsáveis para não adiarem esse importante momento, e sim levarem prontamente seus filhos para serem vacinados, pois somente com a segunda dose, a ser aplicada três meses após a primeira, a proteção estará completa. Desta forma, é crucial iniciar desde já a proteção das crianças.



Leia mais sobre: / / / Aparecida de Goiânia / Brasil / Cidades / Saúde

Helma Bessa

Jornalista formada pela Universidade UNIP