27 de junho de 2022
Política

Antecipação de eleições do MDB em Goiás garantem estruturação do partido e chapa competitiva em 2022, diz Haroldo Naves

Haroldo Naves, prefeito de Campos Verdes e presidente da FGM. (Foto: FGM)
Haroldo Naves, prefeito de Campos Verdes e presidente da FGM. (Foto: FGM)

O diretório do MDB em Goiás decidiu antecipar as eleições para o comando estadual, antes previstas para fevereiro de 2022, para o próximo dia 18 de junho. A proposta partiu do prefeito de Campos Verdes, Haroldo Naves.

A tendência, segundo o próprio, é que haja consenso para a reeleição da chapa encabeçada por Daniel Vilela. “Não vejo ambiente para construção de outra chapa que seja competitiva”, destacou em entrevista ao DG.

O prefeito afirmou que a intenção é que o partido se fortaleça já pensando nas eleições de 2022. Antecipando o pleito interno, a legenda teria mais tempo para lançar candidaturas fortes.

Continua após a publicidade

Confira a entrevista na íntegra

Por que a proposta de antecipar as eleições?

Como o ano que vem é eleitoral, não pode haver disputa interna. É fazer a eleição do diretório este ano para que o partido faça a reestruturação, corra atrás dos candidatos a deputados estaduais e federais, converse com outras legendas. É hora de crescer internamente para, no ano eleitoral em si, chegar forte.

Continua após a publicidade

A eleição deve ter chapa única com Daniel Vilela como candidato? Há possibilidade de outras chapas?

Esperamos que seja chapa única. É hora do partido se organizar e conversar com mais tranquilidade

A chapa deve ser com Daniel presidente. Acho que vai ter consenso. Se não houver, ele vai ganhar por maioria esmagadora. Mas acredito no consenso. Vejo muita dificuldade de ter uma chapa contrária. Pode haver um interesse isolado, mas vejo com muita dificuldade.

Como o MDB pode ganhar com essa reestruturação?

A primeira coisa é. Tivemos um prejuízo muito grande na pandemia. Esperamos no segundo semestre que o partido vá para o interior e se consolide ainda mais. Temos muita capilaridade, mas é claro que é preciso dar uma oxigenada, convidar novos atores, fazer uma reestruturação. Para se consolidar no interior, a primeira coisa é uma estruturação interna a nível de estado. Foi contexto nessa provocação que fizemos na executiva. O pedido da antecipação foi votado por unanimidade. Vai ser um fato decisivo para fortalecer o partido.

O partido tem nomes fortes cotados ao governo, mas também se fala aliança com Caiado. Qual o cenário para 2022 hoje?

O cenário é praticamente impossível de se pensar. O primeiro passo é organizar um diretório estadual, estruturar-se nos municípios e depois fazer as consultas, sentir o clima e aí todo mundo decidir qual é a maioria. É muito prematuro ainda. Logicamente esses cenários vão variar e serão avaliados pelo partido. Queremos o que é bom para o partido e para Goiás.

Como o MDB chega para as eleições em 2022?

O MDB vai chegar com uma chapa extremamente competitiva em 2022, tanto para federal quanto estadual. Acho que vamos eleger a maior bancada de federal e estadual desde 98. Temos capilaridade e credibilidade para fazer bancadas grandes tanto no estado quanto a nível federal.