24 de junho de 2024
Leandro Mazzini

A reforma eleitoral bate-cabeça

Câmara e Senado batem cabeça sobre reforma eleitoral, e nada avança – o mistério é se é estratégia ou jogo de vaidades. Duas semanas após o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), desengavetar na CCJ proposta de reforma eleitoral para reduzir tempo de campanha, na sexta o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), que finalizou minuta de reforma bem anterior, incluiu no pacote do PL 5735 dois substitutivos, com ideias semelhantes às do Senado, apresentado por Romero Jucá (PMDB-RR).


Em suma
As duas propostas distintas defendem a redução do tempo de campanha nas redes de rádio e TV, e limitam o material de campanha nas ruas.

Pauta doidona
A minuta de Vaccarezza tem mais de 100 emendas e sem consenso de líderes. A de Renan foi empurrada para os líderes, sem ciência do autor Jucá, procurado depois.

O debate voltou
A Comissão de Direitos Humanos promove na Terça audiência pública sobre a redução da maioridade penal. Com prós e contras.

A toda velocidade
Na reunião com integrantes do comitê local e internacional de motovelocidade, na qual ficou prometida a reforma do Autódromo de Brasília, o governador Agnelo Queiroz (PT) se comprometeu a manter o nome de Nelson Piquet, e o circuito será batizado de Vanessa Daya, a piloto, campeã brasiliense, que morreu em Julho durante uma prova.

Indy no Cerrado
O governo do DF vai investir de R$ 100 milhões a R$ 200 milhões na reforma do autódromo. A ideia de Agnelo é realizar em Brasília não só o GP Mundial de Motovelocidade, como também conquistar a Fórmula Indy.

PT rifado
Com Flávio Dino (PCdoB) liderando em cheio as pesquisas para o governo do Maranhão, o PT do estado enviou a sondagem para a executiva nacional. Não quer sofrer intervenção nem ser rifado em 2014 para o PMDB, como na última eleição.

Na balança
Domingos Dutra, um dos chefes do PT maranhense, lembra que, hoje, o segundo colocado, candidato de Roseana Sarney, tem 20%. E Dino conta com 60%.

O plebeu e a Princesa
Um fotógrafo de BH trava luta inglória contra Xuxa. Ele registrava o treino de time de vôlei e apanhou de seguranças da Sasha, filha atleta da apresentadora de Xuxa.

Mensalão, por advogados
O universitário Gustavo Lacerda Pedrina, da USP de Ribeirão Preto, teve ideia de meter inveja nos jornais que cobrem o dia-a-dia do julgamento: entrevistou os 27 advogados de defesa dos réus no Mensalão. Vai publicar em livro, com prefácio de Dalmo Dallari.

Epa, Epa..
O livro traz polêmicas. O título é ‘AP 470: análise da intervenção da mídia no julgamento do mensalão a partir de entrevistas com a defesa’(LiberArs). E há um capítulo ‘Mensalão: Liberdade, injusto massacre da imprensa’.

Passado o bastão
Reitores britânicos e brasileiros de famosas instituições baixam no Rio dias 2 e 3 de Setembro. A APO promove, no auditório do Arquivo Nacional no Rio, o seminário sobre gestão Legados Educacionais – Londres 2012 e os Jogos Olímpicos 2016.

A bandidagem agradece
O Conselho Nacional de Justiça testa nesta semana uma calculadora que mostra a data, que por decurso de prazo, extingue o poder do Estado de punir um acusado ou condenado. Vai ser um ‘libera-geral’ da cadeia em pelo menos seis estados.

Tortura caseira
O Projeto de Lei do Senado 293/13, fruto da CPMI Violência contra a Mulher (2012), aperto o cerco em casa: será crime de tortura a violência doméstica ou ato de submissão.

Rendão
A CBF sofre assédio de times do Rio que desejam jogar mais em Brasília. A maior renda da Arena foi no Flamengo x Santos, recorde até hoje: R$ 6.948.710.

Ponto Final
Esse Mensalão ainda vira uma biblioteca de versões.

_________________________________________
Com Equipe DF e SP


Leia mais sobre: Leandro Mazzini

Altair Tavares

Editor e administrador do Diário de Goiás. Repórter e comentarista de política e vários outros assuntos. Pós-graduado em Administração Estratégica de Marketing e em Cinema. Professor da área de comunicação. Para contato: [email protected] .

Recomendado Para Você

Leandro Mazzini

Pizzolato na Papuda

Leandro Mazzini

A blindagem do juiz Sérgio Moro