26 de maio de 2024
Goiânia • atualizado em 30/11/2021 às 19:59

A Castelo Branco pode mudar para Iris Rezende: ‘a Lei Orgânica permite’, diz vereador

Foto: divulgação/Câmara de Goiânia.
Foto: divulgação/Câmara de Goiânia.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Clécio Alves (MDB), e o vereador Marlon Teixeira (Cidadania) devem formalizar nos próximos dias um projeto para homenagear o ex-prefeito Iris Rezende renomeando a Avenida Castelo Branco, em Goiânia, com o nome do emedebista, que morreu em novembro de 2021 por complicações de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) Hemorrágico.

Ao Diário de Goiás, Clécio explicou que o projeto é constitucional e não vai de encontro à legislação municipal, pois a Lei Orgânica do município de Goiânia permite essa mudança porque a avenida em questão recebe o nome de um ditador. Castello Branco foi o primeiro presidente da era da Ditadura Militar (1964-1985). Esteve à frente do país de 1964 a 1967. Morreu logo após deixar o poder, em julho do mesmo ano, num acidente aéreo, no Ceará.

“A Lei Orgânica permite alterar o nome de ditadores como é o caso da [Avenida] Castelo Branco e coincidentemente, esse foi o ditador algoz que cassou o mandato do prefeito Iris no início de sua carreira política. Então esse sujeito [Castello Branco] não tem nenhum motivo para ser homenageado na cidade de Goiânia por ninguém, nenhum motivo”, disse Clécio.

Clécio Alves proferiu várias razões para que as pessoas prestem homenagens a Iris, ele disse ainda que sempre teve uma relação muito próxima de amizade com o ex-prefeito da capital.

“Todos sabem da minha ligação umbilical com o Iris, muito pessoal, muita próxima de amigo, que ele falava para mim que eu era o irmão mais novo dele; e eu falava que ele era meu irmão mais velho, era meu espelho político e, além de tudo, o homem que foi Iris politicamente”, justifica Clécio.

Autor da proposta, junto com Clécio Alves, o parlamentar Marlon Teixeira reforça que o objetivo é fazer justiça a Iris Rezende e relembrar a história. O vereador diz ainda que lugar nenhum do mundo ditadores são homenageados.

“Na Alemanha não tem nenhuma rua que homenageia Adolf Hitler; No Iraque não tem nenhuma rua que homenageia Saddam Hussein, só Goiânia que tem uma rua que homenageia um ditador, o primeiro presidente da Ditadura Militar. Castello Branco foi quem cassou o mandato de Iris Rezende, e essa proposta não é uma proposta chula, ela vem fazer justiça”, explica.

Marlon destaca também que a Câmara de Goiânia terá a oportunidade de consertar esse erro histórico. “Este foi um erro e que nós vamos ter a oportunidade de consertá-lo neste momento”, completa.

Os vereadores disseram ainda que não há dúvida que todos os 35 vereadores de Goiânia irão votar a favor do projeto, inclusive — segundo Clécio Alves — a proposta está com o nome dos 35 vereadores, já que o intento é que seja um projeto de toda a Casa, de todos os vereadores, por essa razão ele diz que será aprovado.

Marlon ressaltou que recuou de outra proposta anteriormente apresentada — de homenagear a cantora Marília Mendonça com o nome da Avenida Castelo Branco — para se engajar nesta homenagem a Iris Rezende. Mas o vereador lembrou que o próximo viaduto construído em Goiânia será, sim, em nome da artista que morreu em novembro deste ano num acidente aéreo, em Minas Gerais, quando ia se apresentar naquele estado.


Leia mais sobre: Goiânia