30 de maio de 2024
Corrida ao Senado • atualizado em 12/09/2022 às 16:32

A 20 dias das eleições, Marconi e Waldir mantém diferença de 7,6 pontos terceira rodada da pesquisa DG/Diagnóstico

Terceira rodada da pesquisa DG mostra estabilidade no cenário com poucas alterações no contexto eleitoral
Tucano Marconi Perillo lidera corrida eleitoral ao Senado; Delegado Waldir segue em sua cola. Cenário permanece estável. (Foto: Montagem/DG)
Tucano Marconi Perillo lidera corrida eleitoral ao Senado; Delegado Waldir segue em sua cola. Cenário permanece estável. (Foto: Montagem/DG)

A corrida para o Senado Federal em Goiás está estável e sem grandes mudanças no cenário eleitoral. Pouco alterou no front dos candidatos com Marconi Perillo (PSDB) e Waldir Soares (União Brasil-GO) mantendo a mesma diferença, em nova pesquisa Diário de Goiás nesta segunda-feira (12/09) No entanto, a espontânea há um alto percentual (78,4%) de indecisos.

No primeiro levantamento publicado no dia 10 de agosto, Marconi Perillo tinha 24,8% das intenções de voto. Subiu 0,2% na segunda rodada e apareceu com 25% na rodada divulgada dia 29 de agosto. Agora, ele tem 25,2% das intenções de voto contra 17,4% do delegado Waldir que aparecia na rodada passada com 17,8%. Na primeira, ele tinha 19,4%.  Os números representam a pesquisa estimulada, aquela onde os nomes dos candidatos são citados para os entrevistados antes da resposta.

A Diagnóstico Pesquisas esteve em campo coletando os dados entre os dias 8 a 11 de setembro para formatar os dados finais do levantamento divulgado 20 antes das eleições do dia 2 de outubro. A corrida permanece igual até mesmo nos candidatos que estão distantes da polarização encabeçada por Marconi Perillo e Waldir com pequenas alterações e ultrapassagens dentro da margem de erro.

LEIA TAMBÉM: Pesquisa Diário de Goiás/Diagnóstico aponta Marconi Perillo com 24,8% e Delegado Waldir, 19,4% na corrida ao Senado

O Instituto ouviu 900 eleitores de forma presencial em domicílios diferentes para realizar a pesquisa. O empresário Wilder Morais (PL) que tinha 5,1% no último levantamento agora tem 5,9% e empata tecnicamente com João Campos (Republicanos) que tem o mesmo índice. O deputado federal tinha 4,8% na pesquisa publicada no dia 29 de agosto. O ex-senador tinha 7% no primeiro levantamento enquanto o republicano aparecia com 6,9%.

Presidente nacional do PP, Alexandre Baldy hoje tem 4,2% das intenções de voto e ultrapassa o presidente do PSD em Goiás, Vilmar Rocha, que agora tem 2,9%. Ambos são candidatos que representam a base governista, assim como o delegado Waldir, do União Brasil. A dupla aproveitou da novidade das candidaturas avulsas para lançarem seus nomes na Corrida ao Senado.

Vilmar Rocha que não teve seu nome testado no primeiro levantamento da série pois havia confirmado sua candidatura às vésperas da convenção aparecia com 4,2% na segunda rodada. Baldy tinha 3 pontos percentuais e iniciou a campanha com 3,4%. A margem de erro da pesquisa é de 3,2% para cima ou para baixo.

A ex-deputada Denise Carvalho, do PC do B, aparece com 2,1 pontos percentuais (antes tinha, 2,7% e 1,2%). Leonardo Rizzo do Novo, começou as rodadas com 0% e subiu para 1,3% pontos percentuais. Hoje tem 1,1%. Manu Jacob, do PSOL tinha 0% foi para 0,9% e agora tem 0,8%. Antônio Paixão, do PCB tem 0,8% mas teve sua candidatura indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral.

A pesquisa também mostra grande quantidades de eleitores que estão indecisos ou não sabem em quem irão votar. 20,2% vão votar em ninguém, nulo ou em branco. 13,3% não sabem em quem votar.

78,4% não sabem ou não souberam opinar, de acordo com levantamento espontâneo

Quando os nomes dos candidatos não são mostrados para os entrevistadores e eles falam qualquer candidato ao entrevistador, o número daqueles que não sabem ou não souberam opinar dá um salto vertiginoso. 78,4% não sabem ou não opinaram. 2,8% votam nulo ou branco.

O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) lidera com 8,8% das intenções de voto. Delegado Waldir tem 3,2%. João Campos, 1,9%. Wilder Morais aparece com 1,7% e Alexandre Baldy, 1,1%.

Denise Carvalho aparece com 0,4%. Leonardo Rizzo com 0,2%. Vilmar Rocha com 0,1%. 0,7% citaram outros nomes que não estão na corrida. 

Candidatos veem rejeição aumentar

Além de liderar a corrida ao Senado, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB), também tem maior rejeição entre os eleitores, com 27,8%. Era 24,6% no levantamento anterior. 

Como segundo candidato com maior índice de rejeição, Delegado Waldir tem  16,1%. Eram 12,1% no levantamento anterior. A dupla que polariza a disputa, também vê aumentado o índice de eleitores que não votariam nos dois de forma alguma.

Baldy e Vilmar Rocha aparecem em terceiro e quarto, respectivamente, com 9,3% e 8,9%, respectivamente. 

O candidato na chapa do governador Major Vitor Hugo (PL), Wilder Morais (PL) agora tem 7,6% de rejeição. No levantamento anterior eram 5,6%. João Campos que tinha 6,1% agora tem 6,7%. Denise Carvalho, do PCdoB, tinha 5,3% agora tem 6,9%. 

Antônio Paixão, do PCO, tem 5,6% e tinha 5,0% no levantamento anterior, mas ele teve sua candidatura impugnada. Leonardo Rizzo, do Novo, somava 4,4% de rejeição e agora tem 6,0%. Não rejeita ninguém são 31,7% enquanto não sabem ou não conseguem opinar representam 17,3%.

Metodologia

A pesquisa realizou 900 entrevistas presenciais entre os dias 08 a 11 de setembro e foi registrada no TSE sob o número GO-09400/2022. Foram entrevistados eleitores no Estado de Goiás com idade igual ou superior a 16 anos, de ambos os sexos, classificados proporcionalmente segundo gênero, escolaridade, faixa etária e regiões administrativas, sendo índices IBGE e TRE-GO; b). A margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O Intervalo de Confiança: 95% (em cada 100 aplicações, apenas 5 ficam fora da margem de erro determinada). A aplicação dos questionários foi feita pelo método de amostragem por cotas. Foram consideradas para cotas as variáveis sexo, faixa etária e região.  Foram checados, no mínimo, 10% dos questionários de cada pesquisador, seja in loco por supervisores ou, posteriormente, por telefone.  Foram designados 20 entrevistadores, 4 coordenadores e 2 supervisores. Apenas um morador-eleitor (filtro) foi entrevistado por residência.

A pesquisa entrevistou eleitores divididos proporcionalmente pelas regiões: Metropolitana (36,0%); Entorno DF (15,0%); Central (11,1%); Sul (7,3%); Norte/Nordeste (7,9%); Sudeste (4,6%); Oeste (6,2%); Sudoeste (9,3%); Noroeste (2,6%).


Leia mais sobre: / / / / / Eleições 2022 / Política

Domingos Ketelbey

Jornalista e editor do Diário de Goiás. Escreve sobre tudo e também sobre mobilidade urbana, cultura e política. Apaixonado por jornalismo literário, cafés e conversas de botequim.