20 de maio de 2024
SELEÇÃO BRASILEIRA

Vinícius Júnior agradece apoio e diz que vai seguir utilizando sua voz na luta contra o racismo

Vinícius Júnior - Seleção Brasileira (Foto - CBF News)
Vinícius Júnior - Seleção Brasileira (Foto - CBF News)

O combate ao racismo no futebol tem um expoente: Vinícius Jr. Ele já foi alvo de várias manifestações do gênero, algumas bem recentes, e não se calou. Em Barcelona, na preparação para os amistosos da Seleção Brasileira em um rápido contato com a imprensa, o atacante que pertence ao Real Madrid foi comovente ao resumir seu sentimento sobre o tema.

“Eu quero seguir isso por todos aqueles jovens, por todas aquelas pessoas que sofrem, que não tem a voz que eu tenho”, disse.

Atitudes criminosas contra o jogador motivaram ações coordenadas pela CBF e o jogo contra a seleção de Guiné, nesse sábado (17), em Barcelona, faz parte de um pacote de medidas adotadas pela entidade.

No pronunciamento na sala de imprensa do CT do Espanyol, após o treino, Vinícius agradeceu aos presidentes da CBF e da Fifa, Ednaldo Rodrigues e Gianni Infantino, pelas ações que estão sendo feitas para harmonizar o ambiente do futebol, afastando e punindo os que apregoam preconceitos.

“Venho aqui agradecer a todos que estiveram comigo desde o episódio no jogo do Real Madrid com o Valencia (em 21 de maio, pela Liga Espanhola, em Valência, quando parte do público o hostilizou com ofensas racistas), o presidente da CBF, o presidente Gianni Infantino, todos os clubes do Brasil, todas as pessoas do Brasil e do mundo inteiro que estão comigo e me dando força pra seguir nessa batalha.”

Ao lembrar do início de sua carreira, Vinicius citou sua família e o Flamengo como pilares de sua formação. “Eu tenho a cabeça muito tranquila. Minha família me ajudou, o Flamengo me ajudou quando eu comecei no clube, com 16 anos, e já sofria com racismo e com toda pressão que havia em cima de mim como jogador de futebol.”

Por fim, o atacante deixou claro que nada o intimidará para que não denuncie mais atos racistas notadamente nos estádios de futebol. “Sempre trabalhei calado e hoje eu tenho força para poder falar de um assunto muito importante.”

(Conteúdo – CBF News)


Leia mais sobre: / / Esportes / Notícias do Estado