15 de abril de 2024
Investigação

⁠Polícia Federal prende homem suspeito de abrigar fugitivos de Mossoró

O suspeito teria fornecido alimentos e abrigo aos foragidos em troca de R$ 5 mil
Cerca de 500 policiais federais, rodoviários federais e militares do Rio Grande do Norte e do Ceará atuam nas buscas. (Foto: Depen/Divulgação).
Cerca de 500 policiais federais, rodoviários federais e militares do Rio Grande do Norte e do Ceará atuam nas buscas. (Foto: Depen/Divulgação).

Foi preso nesta última segunda-feira (26) um homem suspeito de ajudar dois fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Segundo a Polícia Federal (PF), o suspeito forneceu alimentos e abrigo aos foragidos em troca de R$ 5 mil, segundo informações da TV Brasil.

“Um esconderijo localizado na última sexta-feira (23), na zona rural de Baraúna, é de propriedade de um possível apoiador. Ele teria atuado em conjunto com outro apoiador da fuga, preso na quinta-feira (22), sob a acusação de fornecer transporte e armamento aos foragidos”, informou a Polícia Federal em nota.

No dia 21 de fevereiro, outros três suspeitos de ajudar fugitivos de Mossoró foram presos pela PF. Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, foram apreendidos telefones celulares e um veículo que, supostamente, teria sido utilizado no auxílio aos criminosos. Já no dia 23 de fevereiro, foi efetuada a prisão do irmão de um dos fugitivos, que tinha um mandado de prisão em aberto.

Fuga dos presos

Os dois fugitivos da penitenciária federal, Rogério da Silva Mendonça e Deibson Cabral Nascimento, são naturais do Acre. Investigações preliminares indicam que os dois usaram ferramentas que encontraram largadas dentro do presídio para abrir o buraco por onde fugiram de suas celas individuais, no último dia 14.

Cerca de 500 policiais federais, rodoviários federais e militares do Rio Grande do Norte e do Ceará atuam nas buscas, que chegaram à segunda semana. Agentes da Força Nacional de Segurança Pública estão em Mossoró para reforçar a operação.

Com informações da Agência Brasil


Leia mais sobre: / / / Brasil

Elysia Cardoso

Jornalista formada pela Uni Araguaia em 2019