logomarcadiariodegoias2017

Adriana havia retornado para o presídio por determinação do Tribunal Regional Federal, no mês passado / Foto: Fernando Frazão Agência Brasil
adriana ancelmo fernando frazao agencia brasil
A ex-primeira-dama Adriana Ancelmo deixou na manhã desta terça-feira (19) a cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, no Rio, para permanecer em prisão domiciliar.

O benefício, concedido na segunda (18) pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, é semelhante ao dado pelo juiz Marcelo Bretas em março. Ela retornou para o presídio por determinação do Tribunal Regional Federal no mês passado.

Em seu texto, o ministro citou decisões anteriores do próprio STF.

"O caso é bastante semelhante ao mencionado HC 136.408, no qual a Primeira Turma deferiu a ordem -mulher com filho na faixa dos onze anos de idade, presa em conjunto com o pai das crianças. A prisão do pai reforça a imprescindibilidade da mãe para os cuidados dos filhos", diz o habeas corpus.

Mendes também afirma que "a condição financeira privilegiada da paciente não pode ser usada em seu desfavor."

O ministro diz que o crime supostamente praticado por Adriana "muito embora grave, não envolve violência ou grave ameaça à pessoa." E que ela esteve por meses em prisão domiciliar sem violar as regras estabelecidas pelas Justiça.

A advogada foi condenada a 18 anos na ação penal referente à Operação Calicute, e responde a outras três ações penais. Ela é acusada de ter atuado na lavagem de dinheiro da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) por meio de seu escritório de advocacia e compra de joias.

O advogado Alexandre Lopes, que representa a ex-primeira-dama, afirmou que "o STF deu uma grande lição a alguns magistrados do Rio de Janeiro". "Juiz que não tem compaixão não pode julgar seu semelhante", declarou o advogado.

Leia Mais:

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

BUSCA