Governador de São Paulo se encontrou com Marconi e Tasso (Foto: Eduardo Saraiva/Fotos Públicas)
geraldo alckmin foto eduardo saraiva fotos publicas

Após jantar com Marconi Perillo e Tasso Jereissati, o governador Geraldo Alckmin disse que aceita presidir o PSDB para "fortalecê-lo". "Topo", afirmou.

Se o meu nome puder unir o partido, fortalecer o partido, como vigoroso instrumento de mudança para o Brasil, é nosso dever", afirmou na noite desta segunda-feira (27). "Vamos estar à disposição."

O PSDB tem marcada convenção no dia 9 para eleger sua nova Executiva. Perillo, governador de Goiás, e Tasso, senador pelo Ceará, retiraram suas candidaturas a presidente do partido em acordo com Alckmin.

Favorito entre tucanos para disputar o Planalto, o governador paulista evitou comentar como se comportará, caso assuma o PSDB, em relação ao PMDB e ao governo Michel Temer.

"Vamos aguardar a convenção", afirmou. "Estamos concluindo esse período", disse, sobre o debate em torno do desembarque. "A minha posição nunca mudou, sempre achei que não devia ter entrado."

Ele tampouco detalhou os termos do acordo e que cargos Perillo e Tasso ocupariam na Executiva em sua eventual gestão. "Todos devem participar. As lideranças das várias regiões do Brasil."

Alckmin defendeu a implementação de um conselho político no PSDB. "É importante uma instância para ouvir, dialogar", justificou.

(FOLHA PRESS)

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA