Marconi e Doria em evento da Lide no Castros Hotel (Foto: Twitter do Governador)
marconi perillo e joao doria psdb

O prefeito de São Paulo, João Doria, ao conceder entrevista coletiva em Goiânia nesta quinta-feira (19), defendeu o nome do governador de Goiás, Marconi Perillo para a presidência nacional do PSDB. Pelo calendário apresentado, a legenda em dezembro vai eleger uma nova estrutura do comando do partido.

“Tem o meu apoio total. Já manifestei isso em São Paulo e volto a reafirmar aqui, até porque no meu caso, eu tenho lado, e meu lado chama-se Marconi Perillo”, afirmou Doria.

Aécio

Após o Senado ter rejeitado o afastamento do senador Aécio Neves, o presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati, pediu a renúncia do parlamentar de Minas Gerais do comando da legenda. Questionado sobre o assunto, Doria preferiu “não fazer juízo sobre a manifestação”, mas afirmou que o partido está próximo de realizar eleições, e que não faz sentido pedir uma renúncia.

De forma semelhante pensa o governador Marconi Perillo. Ele afirmou que é uma “discussão desnecessária” e que a saída de Aécio da presidência do PSDB não se justifica, faltando poucos dias para o processo eleitoral da legenda.

“A verdade é que ele está licenciado e não está atrapalhando em nada. Ele foi escolhido como presidente do partido. E como lembrou o prefeito Doria, daqui a 40 dias haverá eleição definitiva do diretório na nacional do PSDB. Portanto, considero inócua essa questão de tirar Aécio. Aécio já ficou durante esse ano todo, agora que ele retoma o mandato no Senado, faltando apenas 40 dias para terminar o mandato, não justifica Aécio deixar a presidência definitiva. Ele não é presidente hoje de fato, ele é de direito, porque quem está dirigindo o partido é Tasso Jereissati. Acho que essa é uma discussão desnecessária”, afirmou.

Críticas

No momento em que falava para empresários durante almoço no Castros Hotel, João Doria fez críticas ao PSDB. Ele afirmou que parte dos integrantes da legenda não tomam posição e “ficam em cima do muro”. “Eu talvez neste sentido sou diferente de um pouco da média do PSDB e aqui excluo o governador Perillo, eu não ando em cima do muro. Eu tenho partido e faço claramente as minhas opções”, declarou.

Logo depois, ao conceder entrevista coletiva, o tom foi um pouco mais ameno. Doria disse que é preciso pacificar o partido. “É um partido que precisa buscar um pouco da sua pacificação, buscar unidade para a partir da janeiro enfrentar uma eleição que vai levar novos governadores aos estados brasileiros, novas Câmaras legislativas, novas Assembleias, na Câmara Federal, no Senado e ao futuro presidente e vice-presidente da República”, ressaltou.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA