Em meio a convites para se candidatar à presidência da República em 2018 e a um processo de aproximação com a Assembleia de Deus, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, gravou neste final de semana um vídeo em que pede a evangélicos orações pela economia brasileira.

Meirelles declara ainda que compartilha dos "valores da lei de Deus e dos homens".

"Nossa meta é, de fato, fazer com que o país volte a ter emprego para todos. Para isso, preciso contar com a oração de vocês. Estamos juntos todos, trabalhando dentro dos princípios da ética, da integridade, do trabalho duro."

No vídeo, que parece ter sido gravado de forma amadora e que exibe os dizeres "Outubro, mês de oração pela economia" no final, o ministro da Fazenda diz ainda que se sente "a vontade" para conversar com os evangélicos.

"Me sinto muito a vontade para conversar com vocês porque temos os mesmos valores, valores da lei de Deus e dos homens, visando crescer, visando colaborar com o país. Preciso da oração de todos, estaremos aqui trabalhando, conto com vocês."

De acordo com a assessoria de imprensa da pasta, o ministro foi convidado para um evento da Assembleia de Deus em Madureira, no Rio de Janeiro, mas não pode comparecer, e por isso gravou o vídeo, que vem sendo compartilhado em grupos de redes sociais. A assessoria afirmou que não sabe quem editou o material.

Meirelles vem se aproximando da Assembleia de Deus nos últimos meses -no final do mês passado, participou de uma Convenção da denominação em Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde pediu aos presentes oração pela agenda de reformas e ouviu manifestações de apoio.

Também já se encontrou com lideranças da igreja em outras ocasiões.

Convite

Na semana passada, o ministro da Fazenda recebeu em sua residência a bancada do PSD na Câmara, partido ao qual é filiado, e foi convidado a se candidatar à sucessão de Michel Temer no ano que vem.

Meirelles negou uma possível candidatura, mas o líder do partido na Câmara, Marcos Montes (MG), afirmou que o ministro recebeu com "entusiasmo" o pedido da bancada.

"Ele começa a se descolar como um candidato que tem afinidade com o mercado e com a sociedade. Ele recebeu [o pedido da bancada para se candidatar] com entusiasmo. Se vier a ser chamado, ele não disse isso, mas o partido tem certeza de que ele atenderá ao chamado da sociedade", afirmou Montes na saída do almoço.

Logo depois da reunião, o ministro da Fazenda usou sua conta em rede social para negar a pré-candidatura à Presidência.

"Eu não sou pré-candidato à Presidência da República. Estou concentrado em meu trabalho na Fazenda, para colocar o Brasil na rota do crescimento sustentado. Fiquei muito honrado com as palavras de todos os deputados do PSD. Seguirei debatendo a política econômica com todos os parlamentares", afirmou Meirelles.

Segundo relato de deputados e do próprio Montes, o ministro sorriu ao ser mencionado como candidato da legenda à Presidência da República.

"Sorriu, o que é melhor do que palavras", afirmou Montes, segundo quem Meirelles autorizou a bancada a falar politicamente em seu nome. "Viemos aqui comemorar os números econômicos e colocar um verniz político nessa atuação econômica."

O ministro da Fazenda já foi cogitado outras vezes para disputar o Planalto. Ele é um dos nomes que despontam entre os aliados de Temer, presidente que tem atualmente com rejeição popular recorde.

O último cargo eletivo disputado por Meireles foi há mais de 15 anos: em 2002 ele foi eleito deputado federal com a maior votação de Goiás. Mas não exerceu o mandato pois foi convidado a comandar o Banco Central por Luiz Inácio Lula da Silva.

O hoje ministro da Fazenda acabou deixando a gestão petista pouco antes do início do governo Dilma Rousseff (2011-2016). (Folhapress)

Veja vídeo:

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA