Com a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre do ano, alguns economistas começam a revisar para cima as projeções para 2017. Nesta sexta (1º) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que a atividade cresceu 0,2% de abril a junho em relação ao trimestre imediatamente anterior. Na comparação anual, alta foi de 0,3%, a primeira desde o primeiro trimestre de 2014.

As expectativas de que a atividade econômica neste ano fique mais próxima de zero são deixadas para trás, substituídas por previsões de alta de até 1%.

A alta de 1,4% do consumo das famílias no segundo trimestre em comparação ao trimestre imediatamente anterior e a elevação de 0,6% dos serviços foram os principais gatilhos para as revisões mais positivas. Do lado da demanda, o consumo responder por cerca de 65% do PIB enquanto os serviços, do lado da oferta, ficam com uma fatia superior a 70%.

Há ainda a percepção de que a melhora da atividade ocorre de maneira mais disseminada, ainda que a alta, de 0,2%, tenha sido inferior ao avanço de 1% registrado pela economia no primeiro trimestre. No período, no entanto, é possível dizer que a agropecuária atuou praticamente sozinha sobre o desempenho.

A consultoria MB Associados esperava alta de 0,3% para o PIB deste ano e, conhecidos os números de abril a junho, elevou a previsão para 0,7%.

Para Sergio Vale, economista-chefe da MB, os números do segundo trimestre permitem um olhar positivo para o ano como um todo. "Na esteira da crise de maio, imaginávamos um impacto maior na economia que, por não ter acontecido, nos fez rever a projeção", diz ele.

Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra, já esperava uma alta de 0,7% do PIB em 2017 e agora avalia que o avanço pode chegar a 1%. "Tudo indica que o número será mais forte do que a alta de 0,7%. A composição do resultado de hoje veio mais benigna", diz ele.

Oliveira ressalta que a queda de 0,5% da indústria surpreendeu negativamente, mas a abertura dos dados mostra um quadro menos preocupante. Ele lembra que a indústria está sendo puxada para baixo pela construção civil, que caiu 2% e responde por um quarto da indústria. Com fatia de mais da metade do segmento, no entanto, a indústria da transformação, teve leve alta de 0,1% no trimestre.

Bruno Levy, da Tendências Consultoria, esperava alta de 0,3% para o PIB de 2017 e avalia que o desempenho deve ficar mais próximo de 0,5%.

"Saímos do fundo do poço, o pior já passou, mas ainda estamos no buraco", diz Levy. Para ele, a atividade deve começar a acelerar a partir de agora, em especial porque os cortes mais expressivos da taxa básica de juros foram feitos no início deste ano e devem começar a ter efeito no segundo semestre. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA