O FMI (Fundo Monetário Internacional) projeta um crescimento de 0,2% para o PIB (Produto Interno Bruto) neste ano e uma expansão econômica de 1,7% para 2018.

"O crescimento em 2017 será sustentado pela safra de soja, pelo aumento do consumo, impulsionado pela liberação das contas inativas do FGTS, uma retomada gradual do investimento e a alta dos preços do minério de ferro", diz o relatório divulgado nesta sexta (19). As informações são da Agência Brasil.

As projeções para o Brasil estão abaixo do crescimento esperado para a América Latina e o Caribe, uma expansão econômica de 1,1% para a região em 2017 e de 2% em 2018. Para as previsões, o relatório leva em consideração uma modesta queda dos preços das commotities e o aumento das incertezas políticas globais. Para os economistas da entidade, a América Latina passa por um processo de lenta retomada econômica, após um período de recessão.

No Brasil, o documento destaca que a inflação tem caído rapidamente, ficando dentro da meta ao fechar 2016 em 6,3%. O fundo ressalta ainda a emenda constitucional aprovada no fim do ano passado, que limitou os gastos do governo federal. "Essa emenda é bem-vinda, porque tem como objetivo garantir o retorno do superavit primário [economia para pagamento da dívida pública] e da sustentabilidade da dívida", diz a análise do FMI.

As reformas propostas pelo governo e o progresso da incerteza política são fatores que, na avaliação do FMI, continuaram afetando as perspectivas brasileiras. Nesse sentido, o fundo enfatiza o papel da reforma da Previdência. "É um projeto muito importante. Há uma combinação de fatores no Brasil: Uma tendência demográfica das pessoas viverem mais e as famílias serem menores. O sistema que foi criado décadas atrás precisa ser modificado, atualizado, adaptado para essa nova realidade demográfica", ressaltou o chefe de missão do FMI para o Brasil, Alfredo Cuevas.

Crise política

O diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Alejandro Werner, disse, no entanto, que ainda é cedo para saber como as turbulências políticas vão afetar a agenda de reformas e a economia nos próximos meses. "É mais sábio esperar e ver como as coisas se desenvolvem. Então, com o cenário mais claro, avaliar a situação", disse, durante apresentação do relatório.

Na quinta (18), o STF (Supremo Tribunal Federal) homologou as delações premiadas dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, em que envolvem o presidente Michel Temer. A partir do conteúdo dos depoimentos e de um áudio de uma conversa gravada entre Joesley e o presidente, o ministro do STF Edson Fachin decidiu abrir inquérito para investigar Temer.

"A sociedade tem que achar um caminho para continuar implementando esse programa para que, em poucos anos, a economia brasileira se reestabeleça em um caminho de crescimento econômico sustentável. Achamos que chave para o Brasil é focar nas reformas", ressaltou Werner, ao comentar a possibilidade de haver mudança no comando do país devido à crise política.

Os escândalos de corrupção envolvendo empresas brasileiras também tiveram reflexos negativos na economia do Peru. "Obstáculos domésticos relacionados ao esquema de propinas a políticos em conexão com a companhia brasileira Odebrecht, junto com as piores inundações e deslizamentos em décadas, podem freiar os investimentos e o crescimento em 2017", diz o documento sobre a situação do país vizinho. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA