marconni no rio de janeiroUm pacto federativo que só existe no discurso”, afirmou hoje o governador Marconi Perillo, em palestra aos participantes do XXIX Fórum Nacional – Recessão, crise estadual e da infraestrutura. Para onde vai a economia brasileira?, realizado na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro, sob a coordenação do economista e presidente interino do Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE), Raul Velloso. Marconi falou no painel Crise Financeira Estadual, que teve também a participação dos governadores do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD).

Marconi lamentou que a União, que fica com 70% do bolo fiscal, se exime de responsabilidades, como a questão da Segurança Pública. Ele disse que o financiamento da Segurança Pública e da Saúde é uma das grandes contradições do chamado Pacto Federativo. No caso da Saúde, argumentou que “a União faz de conta que paga consultas, faz de conta que paga internação e faz de conta que paga leitos de UTI”. Outra anomalia, segundo Marconi, diz respeito ao financiamento da Educação. “O Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação)  é uma farsa”, disse, alegando que a responsabilidade maior de financiar a Educação fica com Estados e Municípios.

Na palestra, Marconi voltou a defender a reforma da Previdência.  Disse que  55% de tudo que se arrecada na União, excluindo os juros da dívida, são para bancar a Previdência. “Não tem como País dar certo”, afirmou. Explicou que em Goiás existem 400 coronéis na reserva e 33 em atividade. Dias atrás, assinou a aposentadoria de um coronel com 47 anos de idade e salário de R$ 28 mil por mês. Para Marconi, se alguma coisa não for feita, “os governos vão entrar em colapso, os estados vão falir mesmo”.

Na visão do governador goiano, é preciso afastar o populismo e o corporativismo do debate sobre a Previdência. No fórum, ele também falou dos avanços de Goiás no Ideb e o desafio de implantar o modelo de gestão escolar por Organizações Sociais. Goiás, contou, foi um dos primeiros estados a regulamentar o direito de greve. Recentemente, o STF decidiu pela proibição de greve de forças de segurança.

Fez também referência à retomada dos investimentos, uma vez que Goiás é um dos primeiros estados do País a destinar vultosos recursos para as áreas de insfraestrutura, Educação e obras municipais, no valor de R$ 9 bilhões – R$ 6 bilhões de investimentos públicos e R$ 3 bilhões da iniciativa privada. Lamentou ainda que os estados continuem pagando a conta, uma vez que leis são criadas, mas a União continua se eximindo da responsabilidade de aportar recursos em áreas fundamentais, como Segurança, Saúde e Educação.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA