logomarcadiariodegoias2017

itambe

JOANA CUNHA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Duas semanas após a compra do laticínio mineiro Itambé pela francesa Lactalis, a Justiça suspendeu a operação nesta segunda-feira (18).

A decisão, do juiz Luis Felipe Ferrari Bedendi, da 1ª Vara Empresarial de São Paulo, interrompe um negócio que supera R$ 1,4 bilhão.

Agora suspensa, a situação fica congelada no patamar anterior ao negócio e pode dificultar as operações da empresa enquanto não se encontra uma solução.

Antes de ser comprada pela companhia francesa, no início deste mês, a Itambé pertencia à CCPR (Cooperativa de Produtores de Leite de Minas Gerais).

Os franceses passaram na frente da Lala, companhia mexicana que também tentava comprar a Itambé e que recentemente comprou a Vigor, vendida pela J&F depois da crise provocada pela delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista em maio deste ano.

A cooperativa mineira dividia o controle da Itambé com a J&F, cada uma com 50%, desde 2013, mas neste ano resolveu exercer seu direito de preferência e recomprar a fatia que pertencia à família Batista.

Para exercer seu direito de preferencia e evitar o negócio com a Lala, a CCPR pediu apoio da Codemig (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais) e do BNDES.

A Codemig chegou a aprovar um aporte de R$ 587 milhões para a CCPR, mas o empréstimo não foi feito. A diretoria da CCPR preferiu fechar o negócio com a Lactalis.

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

BUSCA