General Edson Leal Pujol,
comandante

O comandante militar do Sul, general Edson Leal Pujol, afirmou nesta terça-feira (26) que as pessoas que estão insatisfeitas com a situação política do país devem se manifestar, mas "ordeiramente".

"Se vocês estão insatisfeitos, vão para a rua se manifestar, mostrar, ordeiramente. Mas não é para incendiar o país, não é isso", afirmou o general durante uma reunião-almoço organizada pela Associação Comercial de Porto Alegre

A declaração foi dada em resposta a uma pergunta de um participante da reunião que questionou: "General, o país está à deriva. Quem nos mostrará o caminho?".

O público era formado majoritariamente por empresários.

Leal Pujol respondeu ao questionamento afirmando que cabe à própria população mostrar o caminho e recomendou que os insatisfeitos se manifestem.

"Se os nossos representantes não estão correspondendo às nossas expectativas, vamos mudar. Há uma insatisfação geral da nação, eu também não estou satisfeito", disse o general.

TERMÔMETRO

Na sequência, Leal Pujol afirmou que a população é o principal termômetro para os Poderes Executivo, Legislativos e Judiciário. E lembrou que, nos últimos três meses, não houve nenhum protesto significativo em capitais como São Paulo, Rio, Brasília e Porto Alegre.

"Não estamos gostando, mas estamos passivos. () Quero saber quantos de vocês foram pra rua se manifestar? Não adianta nós usarmos só as mídias sociais", disse.

O general ainda destacou que ele não pode se manifestar por causa da hierarquia militar: "Eu não posso ir pra rua".

Ao final da declaração, o general ressalvou que intervenção militar não seria uma solução e que que o papel das Forças Armadas é "seguir a legislação".

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA