furacao maria

A passagem do furacão Maria por Porto Rico afetou as telecomunicações brasileiras durante a manhã e tarde desta quinta-feira (21), deixando a conexão de internet lenta ao passar por outros países -no acesso a um site do exterior, por exemplo.

A reportagem teve acesso a uma resposta enviada pela TI Sparkle a profissionais da tecnologia da informação.

A empresa, provedora de internet que trabalha com sistemas que fazem a comunicação do Brasil com o exterior, informou que o furacão fez com que as estações de trabalho em Porto Rico precisassem ter sua operação reduzida -o que afeta o tráfego de informação internacional em direção ao Brasil.

Profissionais da área também relataram problemas semelhantes com outras operadoras, mas em nível menor.
Em nota, a Tim, que faz parte do mesmo grupo de empresas da TI Sparkle, confirmou a instabilidade.

"A Tim informa que ao longo do dia alguns clientes podem ter percebido instabilidade no acesso à internet devido ao impacto no provedor internacional, decorrente de falhas geradas pela sequência de furacões que atingiu a região do Caribe".

Segundo a empresa, o tráfego está normalizado. Também em nota, Claro, Oi e Telefônica informam que seus serviços não foram afetados.

Nesta quarta-feira (20), o Maria se tornou um dos furacões mais potentes a tocar o solo de Porto Rico.

O fenômeno chegou à ilha classificado como furacão de categoria 4 (em uma escala que vai até 5). Pelo menos uma pessoa morreu.

A prioridade das autoridades locais é normalizar o fornecimento de energia, que atinge 3,4 milhões de pessoas. Toda a ilha está sem luz.

Algumas áreas, segundo o governo, podem ficar sem abastecimento por meses.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA