(Foto: Armada Argentina/Reuters)
submarino desaparecido foto armada argentina reuters

A juíza federal argentina Marta Yáñez disse nesta quinta-feira (23) em um programa televisivo local que "há informação muito sensível e que não pode ser divulgada" a respeito do submarino desaparecido ARA San Juan.

Indagada por que, a juíza apenas respondeu que a missão que estava realizando era um "segredo de Estado".

Isso contradiz a informação inicial divulgada pela Marinha, de que o submarino estaria realizando uma fiscalização sobre navios pesqueiros que estavam atuando ilegalmente.

Yáñez está levando adiante a investigação sobre o que teria ocorrido desde que a Marinha informou sobre o desaparecimento da embarcação, 48 horas após seu último contato.

"Estamos falando de uma embarcação de guerra e portanto não me aventuro a fazer outras considerações", disse. Porém, como a causa foi denominada de "averiguação de ilícito", abre-se a possibilidade de que a própria Marinha desconfie de alguma espécie de ataque.

A juíza, porém, reforçou que, enquanto não se encontrar a embarcação, é impossível seguir com as investigações. "Até o momento não estamos buscando responsabilidades nem fazendo acusações, mas isso não elimina que consideremos vários cenários. As responsabilidades podem ser múltiplas."

Por enquanto, a única ação feita pela Justiça foi pedir um relatório completo sobre o estado do submarino pouco antes de partir da Terra do Fogo e depois "aguardar os informes oficiais da Marinha argentina", concluiu.

Leia mais:

 

 

 

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA