Caminhão bomba deixou mortos e feridos (Foto: AFP)
caminhao bomba somalia foto afp

Número de mortos do atentado duplo de sábado (14) a Mogadíscio, capital da Somália, subiu para 300, afirmou o diretor de um serviço de ambulâncias nesta segunda-feira (16).

Segundo o Dr. Abdulkadir Adam, mais vítimas morreram nas últimas horas devido aos ferimentos sofridos. O governo espera que o número de mortos continue a subir.

Os ataques, separados por um intervalo de algumas horas, deixaram também ao menos 300 feridos e destruíram dezenas de prédios e de veículos.

O primeiro, mais mortífero, aconteceu nos arredores de um conhecido hotel da cidade, em um perímetro com vários ministérios e embaixadas. O prédio da representação diplomática do Qatar foi severamente atingido.

Nenhum grupo reivindicou o ataque, mas o governo somali apontou como culpados os rebeldes do Al-Shabaab, ligado à Al-Qaeda.

Em sua luta contra a administração central, a facção executa com frequência ataques suicidas contra militares e alvos civis. Seu raio de ação se estende até o Quênia.

No início do ano, o Al-Shabaab afirmou que iria intensificar os ataques depois que os governos americanos e somali anunciaram o lançamento de novas ofensivas militares contra os rebeldes.

Os hospitais de Mogadício, que continuam sobrecarregados de pacientes, começaram a receber ajuda internacional nesta segunda. Mais de 70 pessoas com ferimentos graves foram transportadas de avião para a Turquia para serem tratadas.

O ministro da informação, Abdirahman Osman, afirmou que o Quênia e a Etiópia também ofereceram enviar assistência médica para auxiliar no episódio que o governo chamou de "desastre nacional".

Trata-se de um dos piores ataques da África subsaariana, maior que aquele ocorrido na Universidade Garissa, no Quênia, em que 148 pessoas morreram em 2015.

O atentado também superou em número de mortes os bombardeios de 1998 na Tanzânia e no Quênia, que deixaram cerca de 219 mortos.

Os Estados Unidos condenaram o ataque, dizendo em um comunicado que "esses atos covardes revigoram o compromisso dos EUA em assistir nossos parceiros da Somália e da União Africana no combate ao flagelo do terrorismo".

O enviado especial das Nações Unidas à Somália, Michael Keating, afirmou que a ONU e a União Africana estavam apoiando o governo somali com "apoio logístico, suprimentos médicos e expertise" e chamou o atentado de "revoltante".

As explosões ocorreram dois dias depois de o chefe do comando norte-americano para a África se reunir com o presidente do país, Mohamed Abdullahi Farmaajo, e após os pedidos de demissão nebulosos do ministro da Defesa e do comandante do Exército somalis. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA