Desmond Boylan / AP
homenagem che guevara

Cuba criticou o "imperialismo" e as exigências feitas pelos EUA durante homenagem neste domingo (8) pelos 50 anos da morte de Ernesto Che Guevara.

No meio de uma multidão de cerca de 70 mil pessoas reunidas em Santa Clara, o presidente Raúl Castro deixou o discurso principal do evento para o vice-presidente Miguel Díaz-Canel.

"Reafirmamos que Cuba não vai fazer concessões inerente à sua soberania e independência e não irá negociar seus princípios ou aceitar condicionalidades", disse Diaz-Canel, 57, provável sucessor de Castro como presidente de Cuba em fevereiro.

O vice-presidente também lembrou um aviso de Guevara: "Você não pode confiar no imperialismo... Nem um pouquinho! Nada!", disse ele.

As considerações cubanas foram uma resposta ao presidente dos EUA, Donald Trump, que na sexta-feira declarou que não retiraria "sanções contra o regime cubano até que haja uma liberdade política completa para o povo cubano", o que elevou a tensões entre Havana e Washington.

"As mudanças necessárias em Cuba estão sendo decididas pelo povo cubano", respondeu Díaz-Canel.

A homenagem a Che Guevera foi realizada em Santa Clara, a 300 km a leste de Havana. A cidade abrigou o guerrilheiro argentino depois da batalha capitaneada em dezembro de 1958, que começou a decretar o fim da tirania de Fulgencio Batista e o triunfo do Fidel Castro em 1º de janeiro de 1959.

No evento, com uma hora de duração, artistas recitaram poemas e cantaram músicas.

Foi a primeira homenagem a Che em Cuba sem Fidel Castro, seu chefe e amigo, que morreu em novembro passado e em 1967 instituiu em 8 de outubro como o dia do "Guerrilheiro Heróico" e fez Che em um símbolo do "homem novo", que ambos tentaram forjar.

Uma delegação oficial cubana também partiu no sábado para a Bolívia, onde será realizada uma série de eventos comemorativos, com o apoio e a participação do presidente Evo Morales.

"FIQUE VIVO"

"Agora também estamos diante das intenções do presidente dos EUA... e Che nos deu o ensino desde o início deste processo revolucionário no México: para o imperialismo, dizemos que não é um pouco assim", disse Felix Rodriguez à AFP. , uma ex-guerrilha da Sierra Maestra.

Entre os participantes também havia Luis Monteagudo, um mestiço magro de 79 anos que lutou sob as ordens de Guevara no Congo.
Com uma camiseta branca e uma imagem de Che em vermelho, um animado Monteagudo assegurou que para ele "Che vive por sua vida, seu trabalho e seu exemplo".

David Metral, professor de história argentino em Córdoba, expressou sua emoção na conclusão do evento e disse: "Quando tomamos consciência do valor de sua luta (Che) e do senso de sua luta, seu exemplo é multiplicar e seu legado em todo o mundo ".

Vários turistas participaram da cerimônia, em um momento em que a ilha é questionada como um destino seguro, devido às denúncias de Washington de que 22 pessoas da embaixada em Havana sofreram "ataques" à saúde -diplomatas, servidores da embaixada e familiares apresentaram, em período de sete meses, sintomas como perda de audição permanente, lesão cerebral leve, problemas de visão, fortes dores de cabeça, tontura e dificuldade de dormir.

"Alguns porta-vozes e a mídia se prestam a propagação de fraudes incomuns, sem evidências, com o propósito perverso de desacreditar o desempenho impecável de nosso país, universalmente considerado um destino seguro para visitantes estrangeiros, incluindo americanos", disse Díaz-Canel.

Nascido em 14 de junho de 1928 em Rosario (Argentina), Che Guevara era um rapaz incansável de uma família burguesa que estudava medicina e estrelou uma histórica viagem de motocicleta pela América do Sul com seu amigo Alberto Granados.

Ele trabalhava como fotógrafo itinerante no México quando conheceu Fidel Castro em 1956.

Ministro das Indústrias e presidente do Banco Nacional após o triunfo de Fidel, Guevara casou-se com Aleida March e teve quatro filhos.

Meio século depois de sua morte, Cuba ressalta o símbolo, imortalizado em uma imagem de Alberto Korda, uma das mais publicadas na história da fotografia mundial.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA