Imagem distribuída pela agência de notícias KCNA mostra Kim Jong-un inspecionando o que seria uma arma nuclear
coreia arma nuclear
Após o sexto teste nuclear realizado pela Coreia do Norte no domingo (3), a Coreia do Sul afirmou nesta segunda (4) ter detectado indícios de que Pyongyang prepara um novo lançamento de um míssil balístico intercontinental (ICBM).

Indícios de que a Coreia do Norte "prepara um novo disparo de míssil balístico foram detectados constantemente desde o teste de domingo", afirmou o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, que não revelou o momento em que poderia acontecer o disparo.

O ministro sul-coreano da Defesa, Song Young-Moo, disse ainda que seu país acredita que a Coreia do Norte miniaturizou com sucesso uma arma nuclear para que seja instalada em uma ogiva.

Diante da possibilidade de novos lançamentos norte-coreano, a Coreia do Sul afirmou que conversa com os Estados Unidos sobre mobilizar novos porta-aviões e bombardeiros estratégicos na península coreana.

O anúncio foi feito horas depois da Coreia do Sul realizar novo exercício com mísseis balísticos, em resposta ao teste nuclear norte-coreano. No treinamento, foram utilizados "mísseis balísticos sul-coreanos do tipo Hyunmoo e caças F-15K".

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também pediu para ser informado sobre todas as opções militares disponíveis, de acordo com seu secretário de Defesa.

O Conselho de Segurança da ONU deve se encontrar nesta segunda (4) para discutir novas sanções contra Pyongyang. No domingo (3), o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, afirmou que o teste nuclear é "profundamente desestabilizador".

POTÊNCIA

De acordo com a Coreia do Norte, o sexto teste do país usou uma bomba de hidrogênio e foi o teste nuclear mais potente de Pyongyang. O regime comunista anunciou que a bomba é suficientemente pequena para ser montada em um míssil intercontinental.

Seul afirmou que a potência do teste nuclear norte-coreano foi estimada em 50 quilotons, cinco vezes mais que o último teste nuclear realizado por Pyongyang em setembro do ano passado e três vezes mais que a bomba americana que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima em 1945.

Em julho, a Coreia do Norte testou, duas vezes e com sucesso, um míssil balístico intercontinental (ICBM), o que deixaria o território americano ao alcance de um ataque norte-coreano.

Leia Mais:

 

 

 

Leia mais sobre:

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA