logomarcadiariodegoias2017

Reunião foi realizada nesta segunda, 8. (Foto: Wildes Barbosa)
marconi e ministra carmen lucia foto wildes barbosa

O presidente do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), desembargador Gilberto Marques Filho, disse à presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, que não é mais possível resolver problemas de Segurança Pública regionalmente.

“Tem de haver um trabalho conjunto entre Estado e União e nós contamos com a ajuda da senhora. Os Estados não dão mais conta. Faremos tudo o que for possível, mas sem a participação da União, as ações serão sempre paliativas”, afirmou o desembargador.

O pronunciamento do procurador-geral de Justiça de Goiás, Benedito Torres Neto, que também participou da reunião, foi na mesma linha que do de Gilberto Marques Filho. Benedito disse que o Estado tem de trabalhar em parceria com a União para conseguir avançar nas demandas. “O trabalho deve ser conjunto”, declarou, destacando, em seguida, a importância da criação da diretoria-geral de Administração Penitenciária pelo governador Marconi Perillo.

O secretário de Segurança Pública, Ricardo Balestreri, disse que os principais problemas enfrentados por Goiás e pelos outros 26 Estados brasileiros são a malha prisional ruim, a superlotação e a carência de capital humano. “Ainda assim, Goiás produz e produz muito. Sem demagogia, é o Estado que mais prende e que mais atrapalha o crime organizado no Brasil. Aumentou em 64% a sua população carcerária nos últimos anos”, afirmou Balestreri.

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

Reportagem Especial

TVDG

Novo vídeo do Diário de Goiás
Novo vídeo do Diário de Goiás
Leia mais no www.diariodegoias.com.br

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

BUSCA