vitti deputados e trabalhadores

O presidente da Assembleia Legislativa, José Vitti (PSDB), recebeu na manhã desta quarta-feira (18)  comissão de trabalhadores da agricultura familiar que estão acampados na parte externa do Palácio Alfredo Nasser. Na reunião, os trabalhadores entregaram a Vitti um comumente contendo reivindicações do movimento para intermediacão do Legislativo. 

Cerca de 400 famílias de várias regiões de Goiás estão acampadas desde a manhã dessa terça-feira (17) na entrada da Assembleia. O presidente da Assembleia se comprometeu a acompanhar a comissão de trabalhadores da agricultura familiar na audiência que será realizada com o vice-governador José Eliton (PSDB), no Palácio Pedro Ludovico Teixeira.

Os manifestantes são ligados à Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaeg), Movimento Camponês Popular (MCP), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetraf) e Comissão Pastoral da Terra (CPT). Os trabalhadores querem apoio dos deputados para o atendimento de demandas, como repasse de recursos do Governo do Estado, por meio do Programa Goiás na Frente, para compra de materiais e equipamentos usados no campo e aprovação do Fundo Estadual da Agricultura Familiar, que destinaria 0,5% do Orçamento Estadual para fomentar a atividade agrícola de pequeno porte no Estado.

Também consta na pauta dos trabalhadores rurais assegurar assistência técnica rural, desenvolvimento de pesquisas e apoio à produção de alimentos agroecológicos e fortalecimento da Educação no campo. Os trabalhadores pediram ainda o apoio de Vitti nas ações do Governo Federal relativas ao Programa Minha Casa, Minha Vida, que deve ter o orçamento reduzido a praticamente zero em 2018.

O líder do governo, Francisco Oliveira (PSDB) acertou com o presidente José Vitti e com o vice-governador José Eliton as duas agendas com os representantes dos trabalhadores rurais. 

Vitti disse que a luta dos trabalhadores é reconhecidamente uma pauta antiga e que já esteve em discussão avançada, porém, foi impedida de prosseguir em vista da crise que o país passa. “Em 2015 essa proposta foi obrigada a retornar ao Executivo em vista da crise financeira, que acomete principalmente os Estados brasileiros. Porém, vejo que os pedidos são exequíveis e importantes, não só para aqueles que vivem do campo, mas sobretudo para aqueles que estão nas cidades. Entendo o momento como propício para que o projeto seja novamente debatido.”

O chefe do Parlamento destacou que é praticamente certo que tanto o governador Marconi Perillo bem como o vice José Eliton serão sensíveis às reivindicações dos trabalhadores. “Acredito que chegando matéria na Casa sobre essas reivindicações, em um prazo máximo de 15 dias estaremos com elas aprovadas. São propostas de cunho social, apartidárias, e não vejo dificuldades de tramitação na Assembleia”, afirmou.

A deputada Isaura Lemos (PCdoB), presidente da Comissão de Habitação, Reforma Agrária e Urbana da Assembleia Legislativa, disse ter sido muito positiva a reunião com José Vitti. “O presidente Vitti foi colocado a par da pauta de fortalecimento da agricultura familiar. Ele se  mostrou extremamente sensível às reivindicações e tem sido um parceiro das entidades dos trabalhadores”, disse Isaura Lemos.

A deputada Adriana Acorri que os trabalhadores foram bem recebidas na Assembleia. “É muito importante esse exemplo que os líderes do Parlamento dão em ouvir as pautas que tratam praticamente da sobrevivência das famílias e do desenvolvimento da agricultura familiar em Goiás, responsável por praticamente 75% de todo alimento que é consumido no Estado.”


A mobilização de representantes da agricultura familiar na Assembleia Legislativa faz parte da Jornada Unitária Nacional contra reformas conduzidas pelo Governo Federal, com bandeiras em defesa da agricultura camponesa e da alimentação saudável. O movimento protesta contra a perda de direitos e luta para que as famílias camponesas tenham condições de permanecer no campo produzindo alimentos saudáveis e em condições de sustentabilidade ambiental.

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA