Uruguaio Gastón Filgueira (Foto: assessoria VNFC)
g
Depois de permanecer 21 rodadas consecutivas entre os quatros melhores da série B, o Vila Nova, agora, ocupando a 6ª colocação, com 51 pontos, cinco há menos do que o Paraná, que abre o G-4, vê de perto escapulir o acesso para a primeira divisão do Campeonato Brasileiro.

O questionado sistema ofensivo do Vila é tido como o indicador para justificar a queda de rendimento da equipe nas últimas rodadas. Nos últimos cinco jogos, o ataque do Vila Nova marcou apenas um gol, na vitória por 1 a 0 sobre o Criciúma. No total, o Vila marcou 32 gols em 32 jogos.

Ao contrário, a defesa do Vila é uma das mais eficientes desta série B, sendo a terceira melhor da competição, tendo sofrido apenas 24 gols. No entanto, o desequilíbrio correlacionado ao ataque tem atrapalhado a equipe de voltar para a briga na parte de cima da tabela.

Após 32 rodadas, o time comandado por Hemerson Maria teve em seu comando de ataque 12 jogadores. No total, estes atacantes marcaram 12 gols, média de um para cada atacante. Isso se Alípio não fosse o responsável por sete deles. O artilheiro da equipe é um meio campista. Alan Mineiro, que marcou 10 gols nesta série B.

Até agora Mateus Anderson, Moisés e Marcos Paulo foram responsáveis pelos outros cinco gols marcados pelo ataque do Vila neste Brasileiro. Wallyson, Lourency, Ruan, Vinícius Leite, Jenison, Marcelinho e Patrick Leonardo estão em branco na competição.

O Vila, nos últimos seis jogos, marcou apenas dois gols, conquistando apenas seis pontos dos 18 disputados. No entanto, mesmo com o baixo rendimento, a equipe colorada segue confiante para reta final da competição. Para o uruguaio Gastón Filgueira, a responsabilidade pela queda de rendimento do grupo, não deve ser atribuída apenas para o sistema defensivo.

“A gente acredita em cada jogador que tá aqui dentro. Quem entrar vai dar conta e isso aí eu tenho certeza. O sistema defensivo é todo mundo. O sistema começa em todo mundo. Não é só os quatro de trás com os volantes. Começa lá na frente. Desde que nosso centroavante comece marcando o zagueiro, a gente começa a montar nosso sistema defensivo" disse Gastón.

O lateral esquerdo do Vila Nova ainda reiterou, sobre a responsabilidade da participação do sistema ofensivo.

"E o nosso ataque é a mesma coisa. Depende até do Luiz. Luiz Carlos ou Wendel, quem jogar, então o nosso sistema ofensivo, quanto o defensivo, ele começa de trás para frente e de frente para trás. Então, eu acho que a gente não deve colocar a culpa em um ou dois jogadores, e sim em todo time”, disse o lateral do Vila.

A equipe do técnico Hemerson Maria folgou neste final de semana, e só volta a campo na próxima sexta-feira (03), quando enfrenta o Paysandu, às 21h30 (de Brasília), na Curuzu, em jogo válido pela 33ª rodada do Brasileiro série B.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA