Rassi entre os vices Junior Vieira e Marcelo Almeida. (Foto: Rosiron Rodrigues)
rassi entrevista

Três meses após renunciar ao cargo de presidente do Goiás Esporte Clube, Sérgio Rassi se pronunciou pela primeira vez. Em entrevista ao Jornal O Popular o ex-mandatário falou de articulações dentro de sua gestão e revelou que demitiu Marcelo Segurado de forma injusta.

Rassi não voltou ao dia dia do clube e também a nenhum jogo na sequência do Campeonato Brasileiro da Série B. Na matéria dos jornalista Alexandre Ferrari e Rafael Xavier citou que articulações eram feitas dentro do clube sem o seu conhecimento e falou da tristeza ao abandonar o mandato.

"Foi contra meus princípios. Nunca deixei de terminar nada que comecei. Os fatores para justificar minha renúncia foram a hostilidade de torcedores e da mídia, principalmente da mídia de rádio - pressão familiar e um ponto que nunca comentei que foi o fato de estar entrando em rota de colisão com pessoas que gosto muito".

Confira outro trechos da entrevista de Sérgio Rassi

- Eu percebia aos poucos, não sei se pelo fato de estar já no final do meu mandato, que algumas coisas estavam sendo articuladas no clube sem a minha participação.

- Era meu sonho ter o Adson Batista. Criamos um gestor que está fora daqui, que ama o Goiás e merecia uma oportunidade. Marcelo Segurado foi injustamente mandado embora do clube por mim. Não por minha vontade.

- Eu e o Haile nunca perdemos a amizade e o respeito um pelo outro. Ele sempre falou que a última palavra era a minha, mesmo se ele não concordasse.

- Acho que se tivesse apostado no Argel estaríamos brigando lá em cima. Tinhamos na época da renúncia, 25 pontos e temos 44. Acho que continuou do mesmo jeito, só não corremos maiores risco de rebaixamento graças ao Boa Esporte e ao Guarani. 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA