logomarcadiariodegoias2017

Foto: Divulgação CBF
predio cbf

SÉRGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Os diretores da CBF evitaram comentar a decisão da Fifa de banir Marco Polo Del Nero do futebol por 90 dias.

O diretor de Governança e Conformidade da CBF, André Megale, disse que não queria dar sua opinião sobre o assunto.
Investigado pelo FBI há mais de dois anos, Del Nero foi punido nesta sexta (15) pelo Comitê de Ética da Fifa.

Ele é acusado na Justiça dos EUA de participar de um esquema de recebimento de propina com cartolas da América do Sul.

José Maria Marin, seu antecessor, é julgado nos EUA por extorsão, fraude financeira e lavagem de dinheiro.

"A orientação nossa do compliance é não dar informações... A assessoria de comunicação vai fazer uma comunicação única e oficial", disse o diretor de compliance [termo que designa regras de conformidade].

Na nota, a CBF se limitou a declarar que recebeu a decisão da Fifa e Antonio Carlos Nunes, o coronel Nunes, assumiu interinamente o cargo de Del Nero. Nunes é vice da CBF.

O diretor de competições da CBF, Manoel Flores, disse que o funcionamento da entidade continuaria normalmente, mas não quis dar a sua posição sobre o caso.

Ele também afirmou que a aassessoria comentaria o banimento do cartola

TRANSTORNO PASSAGEIRO

O coordenador de Futebol Feminino da CBF, Marco Aurélio Cunha, preferiu defender a gestão de Del Nero.

"Veja bem, a CBF é uma instituição com vida própria, funcionários exemplares, uma direção moderna, com o que há de melhor em termos de gestão profissional", disse Cunha

"Não me cabe discutir, eu sou funcionário da CBF. Trabalho com o futebol feminino, que ele tem dado excelente contribuição, nunca ninguém fez isso. A minha expectativa é que isso seja um transtorno passageiro", acrescentou.

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

BUSCA