Vasco 2x1 Ponte Preta. (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)
vasco e ponte

O Vasco não decepcionou a torcida que lotou São Januário (mais de 22 mil presentes, melhor público do ano) e bateu a Ponte Preta por 2 a 1 neste domingo, garantindo vaga na fase preliminar da Copa Libertadores da América de 2018.

Paulinho e Mateus Vital marcaram os gols do Vasco, que terminou o Brasileirão na sétima posição, com 57 pontos, e só não foi para a fase de grupos diretamente porque o Flamengo venceu o Vitória nos acréscimos e ficou em sexto.

Já a Ponte Preta, que descontou com Lucca, de pênalti, e já entrou em campo rebaixada, fecha o torneio nacional na penúltima colocação, com 39 pontos.

Depois de começar o jogo de maneira tensa e abusar de erros de passe, o Vasco assumiu o controle das ações a partir dos 15 minutos. As primeiras chances vieram nos pés de Nenê, que chutou para fora da entrada da área, e Paulinho, cuja finalização cruzada parou em Aranha.

Os lances serviram para levantar a torcida em São Januário. E o caldeirão foi à loucura aos 27min. Yago Pikachu recebeu de Nenê e fez cruzamento na medida para Paulinho testar e abrir o placar.

Empurrado pela torcida, o Vasco seguiu tentando o ataque após o gol e desperdiçou uma grande chance de ampliar aos 33min. Madson recebeu de Pikachu e foi derrubado por Jeferson. Era enfim o primeiro pênalti assinalado para a equipe carioca no Brasileirâo.

Nenê se encarregou da cobrança e bateu colocado. A bola tocou na trave. O erro na tão esperada penalidade fez o veterano meia-atacante rapidamente se tornar um dos assuntos mais comentados no Twitter.

Dois lances polêmicos marcaram o fim da primeira etapa. Logo depois de Nenê errar o penal, a Ponte pediu um depois de Wendel ser atingido por Paulão na área.

A arbitragem mandou seguir. "Do outro lado eles deram um duvidoso. É complicado comentar", reclamou o jogador do time campineiro na saída de campo.

Mas o Vasco também ficou na bronca com a arbitragem. Aos 36min, Paulinho recebeu de Nenê e cruzou para Pikachu só empurrar para o gol vazio. O juiz, porém, paralisou o lance, assinalando impedimento.

O segundo tempo recomeçou movimentado. Aranha salvou a Ponte em duas oportunidades, em cobrança de falta de Evander e em chute forte de Pikachu. Já a Ponte conseguiu uma série de escanteios. Num deles, Danilo Barcelos cobrou fechado e Martín Silva evitou o gol olímpico.

Na metade do segundo tempo, Zé Ricardo mexeu no Vasco. Nenê, que caiu de produção na etapa final, deu lugar a Mateus Vital. Bastaram cinco minutos para o jovem de 19 anos marcar o gol mais importante de sua carreira até aqui.

VASCO: Martín Silva, Madson (Eder Luis), Paulão, Anderson Martins e Gilberto; Wellinton, Evander (Jean), Pikachu, Paulinho e Nenê (Mateus Vital); Andrés Ríos. T.: Zé Ricardo.

PONTE PRETA: Aranha, Nino Paraíba, Marllon, Luan Peres e Jeferson; Wendel (Naldo), Elton, Léo Artur (Felipe Saraiva) e Danilo Barcelos (Claudinho); Lucca e Léo Gamalho. T.: Eduardo Baptista

Árbitro: Rafael Traci (PR)

Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Luciano Roggenbaum (ambos do PR)

Público: 20.174 pagantes

Renda: R$ 1.178.345

Cartões amarelos: Anderson Martins, Paulinho, Gilberto, Nenê (Vasco). Jeferson, Marllon, Lucca, Nino Paraíba, Elton (Ponte Preta)

Cartões vermelhos: Não houve

Gols: Paulinho, aos 27 minutos do primeiro tempo (VAS); Mateus Vital, aos 28 minutos do segundo tempo (VAS); e Lucca, aos 43 minutos do segundo tempo.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA