Renato Gaucho. (Foto: Lucas Uebel - Grêmio)
renato gaucho 22

Jogar a final da Libertadores deixa Renato Gaúcho ansioso. Insone. E quando ele fecha os olhos, precisa driblar as lembranças de 2008. Nove anos atrás, o Fluminense treinado por ele perdeu o título para a LDU, do Equador, nos pênaltis. E aquela frustração assombra o técnico do Grêmio até os dias de hoje. Mesmo que evite falar, o ex-atacante não se controla.

Naquela oportunidade, o time equatoriano venceu em Quito por 4 a 2 e perdeu no Rio de Janeiro por 3 a 1. A disputa foi para os pênaltis e lá, brilhou o goleiro Cevallos.

"Eu fui basicamente prejudicado, entre aspas, em 2008 por isso. Se houvesse isso [gol qualificado], o Fluminense seria campeão. Mas as regras estão aí...", lembrou Renato ao ser questionado sobre a final sem gol qualificado fora de casa.

No início do ano, Renato Portaluppi foi textual. Disse, ao SporTV, que 'não engoliu' a derrota. Agora ele lembrou, por vontade própria, do episódio no Maracanã.

"Estou feliz por estar em mais uma decisão de Libertadores. A última tinha sido com o Fluminense... Eu acho que no momento em que é treinador, trabalha o campeonato todo. Tem uma carne de pescoço e vez em quando, não é só filé... Mas se chegou, é por ter condições. O pesadelo é a ansiedade da hora do jogo. É um título muito importante, não por ter perdido em 2008. Mas por ser importante para o clube, o terceiro na história do Grêmio", comentou.

PRESTAÇÕES

Antes de um jogo grande, Renato tem um ritual que não foi montado por escolha própria. A ansiedade pelo apito final corta o sono do antigo camisa 7. A noite é vivida em prestações.

"Eu não vou dormir à meia-noite. Eu quero que eles durmam, mas o treinador dorme por etapas. Eu durmo, acordo às 3h, volto a dormir às 5h. Por isso não saio do quarto no dia do jogo, ninguém sabe se estou acordado ou dormindo. Se estou vendo TV, tomando sopa", brincou.

O fato de ter uma nova final sem gol qualificado pode até ser melhor. Agora, ao contrário de 2008, Renato começará a decisão jogando em casa. Se o Grêmio não vazar, ele estará em vantagem e até por isso evita críticas a regra.

"O Grêmio não vai mudar sua forma de jogar. A gente já sabia dessa regra. Não vamos mudar, não. Onde o Grêmio jogar, vamos jogar da mesma forma", apontou.

Grêmio e Lanús-ARG se enfrentam nesta quarta-feira (22), às 21h45 (Brasília) em Porto Alegre. O segundo e decisivo jogo será em La Fortaleza, na grande Buenos Aires, dia 29 de novembro.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA