Marin teria recebido dinheiro ilícito de argentino (Foto: Sidney Oliveira- Agência Pará)
jose maria marin sidney oliveira agencia para

O empresário argentino Alejandro Burzaco afirmou ter pago US$ 2,7 milhões (R$ 8,8 milhões de reais em valores atuais) em propinas a José Maria Marin, ex-presidente da CBF. Preso nos EUA, o sócio do grupo de marketing esportivo Torneos y Competencias, da Argentina, diz que o acerto com o cartola brasileiro previa ainda o pagamento de US$ 6 milhões (R$ 19 milhões) a receber, caso o esquema não tivesse sido descoberto. Juán Ángel Napout, ex-chefe do futebol do Paraguai, e Manuel Burga, chefe do esporte no Peru, teriam recebido US$ 4,5 milhões e US$ 3,6 milhões em propina cada um.

Burzaco está em prisão domiciliar há dois anos em Nova York e fechou um acordo de delação premiada com a Justiça americana, ainda aguarda a sua sentença, que pode chegar a 60 anos.

Ele prestou depoimento nesta quarta-feira (15), no Tribunal do Brooklyn, nos Estados Unidos.

Marin, o peruano Manuel Burga e o paraguaio Juan Ángel Napout são os únicos três réus entre cerca de 40 indiciados pela Justiça americana que se declaram inocentes no escândalo de corrupção -a suspeita é que eles receberam quase R$ 500 milhões em propina ao longo das últimas duas décadas.

Marin e os demais cartolas negam que cobraram e receberam as propinas.

PROPINAS DE TVS

Também durante depoimento nos EUA, Alejandro Burzaco disse que a TV Globo, a mexicana Televisa e sua empresa de marketing esportivo, Torneos y Competencias, pagaram juntas US$ 15 milhões em propina a Julio Humberto Grondona, ex-chefe do futebol argentino, pelos direitos de transmissão da Copa do Mundo de 2026 e 2030.

O valor, que garantia direitos de TV, rádio e internet para os eventos esportivos, teria sido depositado no banco Julius Bär, sediado na Suíça.

Essa conta era controlada pela T&T, empresa criada pelo grupo de Burzaco para fazer pagamentos com verbas ilícitas. De acordo com ele, os valores pagos eram abaixo do mercado para que pudessem ser inflados com propinas.

Burzaco, que está em prisão domiciliar há dois anos em Nova York e fechou um acordo de delação premiada com a Justiça americana, ainda aguarda a sua sentença.

Na corte do Brooklyn, ele chorou no início do segundo dia de depoimentos, interrompendo o julgamento. Isso foi menos de 24 horas depois do suicídio de um advogado argentino citado por ele como um dos que receberam propina no esquema -Jorge Delhon se jogou na frente de um trem em Buenos Aires.

Procurado pela reportagem, o Grupo Globo, detentor da TV Globo, manteve o mesmo posicionamento que havia passado na terça-feira (14) após ter seu nome citado em pagamento de propinas para diversos torneios internacionais.

Em nota enviada à reportagem, o grupo afirma "veementemente" que "não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina".

"Após mais de dois anos de investigação [o Grupo Globo] não é parte nos processos que correm na Justiça americana", lembra a empresa no comunicado.

O Grupo Globo afirma ainda que conduziu "amplas investigações internas" desde que o escândalo da Fifa foi revelado, em 2015. Nelas, ainda segundo o comunicado, foi apurado que o Grupo Globo "jamais realizou pagamentos que não os previstos nos contratos".

(FOLHA PRESS)

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA