GP Brasil - Interlagos
gp brasil

Pelo segundo ano seguido, o GP Brasil de F-1 não tem patrocinador e depende exclusivamente do que arrecada com venda de ingressos. A organização do evento trabalha com uma previsão de deficit na casa de R$ 100 milhões, valor perto do que foi registrado em 2016.

Neste ano, a Heineken é dona dos naming rights da corrida, mas o acordo não dá dinheiro aos organizadores. A cervejaria é parceira global da F-1 e empresta seu nome a alguns GPs sem patrocinador.

A Petrobras, que foi a apoiadora de 2009 a 2015, voltou a dar dinheiro para a corrida nesta temporada, mas tudo o que é injetado vai para os cofres da FOM (Formula One Management), empresa que gere o campeonato.

A Globo tem direito a placas de publicidade ao redor da pista. Porém, ela negocia esses espaços com seus cotistas.

Outros parceiros da FOM, como DHL, Rolex e Emirates, também podem explorar áreas de publicidade para exibir as marcas, e os valores despendidos vão para a conta da TV. Nem mesmo os produtos licenciados vendidos ao redor do autódromo entram como receita para os organizadores, que ainda arcam com o custo de 70 geradores alugados.

Com isso, toda a receita que a promotora da prova –a Interpub– capta vem da bilheteria.

Em 2016, 128.100 pessoas foram ao autódromo de Interlagos nos três dias de evento.

Foi consideravelmente menos do que em 2015 (136.410), em 2014 (133.109) e em 2013 (130.475). A expectativa dos organizadores é que o número de pagantes aumente neste ano -até sexta-feira, só havia ingressos para um dos setores do autódromo.

Ainda assim, a alta na demanda não banca a operação. O valor da renda nunca é divulgado pelos organizadores.

"A procura do público aumentou porque este ano a economia está um pouco melhor, e nós últimos anos teve Copa e Olimpíada no Brasil, o que afeta. Calculamos aumento de 7.000 pessoas de 2016 para 2017", disse Tamas Rohonyi, presidente da Interpub e organizador do GP Brasil há quase quatro décadas.

A Interpub gasta aproximadamente US$ 5 milhões (quase R$ 16 milhões) por ano para organizar o evento.

De acordo com o empresário, a sua promotora consegue igualar despesas e receitas com o valor da prova.

Entretanto, não há verba suficiente para pagar o chamado "promoter fee" (taxa do promotor), que cada organizador tem de pagar à FOM trazer o país o chamado circo da F-1.

Nisso se inclui o aparato necessário como equipamentos, estafe e produção da corrida.

Essa despesa internacional gira na casa dos R$ 100 milhões, e é justamente o que fica como deficit a cada ano para os realizadores do evento em Interlagos.

"Normalmente é o promotor que paga estas despesas, mas no nosso caso a FOM faz todo o investimento. Como se pode imaginar, ela não está muito feliz com esta situação, pois é uma verba que deixa de ganhar", disse Rohonyi.

Até o ano passado, a prova brasileira contava com o "apadrinhamento" de Bernie Ecclestone, ex-dono da F-1, que bancava o deficit gerado. O inglês vendeu o comando da categoria para o grupo Liberty Media, que passou a administrá-la a partir desta temporada.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA