psdb gauchoO governador Marconi Perillo participou, na noite desta sexta-feira (10/11) e da manhã deste sábado (11/11) das Convenções Estaduais do PSDB de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul para conversar, ouvir e debater teses em prol do partido e do Brasil. Nos dois encontros regionais, o governador se apresentou como candidato a presidente nacional tucano e, como vem fazendo desde que se lançou à sucessão ao diretório, pregou com a unidade interna com vistas à construção, em sintonia com a população, de programas de governos para os Estados e para a Presidência da República.

A convenção nacional que vai escolher o presidente do PSDB para o próximo biênio será realizada em 9 de dezembro, em Brasília. Em São José, na Grande Florianópolis (SC), Marconi foi recebido pelo presidente do PSDB catarinense, deputado estadual Marcos Vieira, pela deputada federal Geovana de Sá e pelos senadores Paulo Bauer e Dalirio Beber. Em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, o governador foi recepcionado na convenção pelo prefeito da capital gaúcha, Nelson Marchezan Júnior, pela deputada federal Yeda Crusius e pelo ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, eleito hoje presidente estadual do PSDB. Marconi foi recebido com entusiasmo pela militância tucana nos dois Estados, e apresentou suas propostas para o PSDB e para o País.

"A minha preocupação neste momento é de buscar a nossa unidade. Nós somos um partido nacionalmente forte, mas regionalmente muito mais forte. Nós temos excelentes exemplos de gestões no País inteiro, excelentes ex-governadores, governadores e prefeitos. Partido de Mário Covas, Fernando Henrique, Zé Richa, e tantos outros", disse Marconi em Sata Catarina, na noite de sexta-feira, 10. "O Brasil precisa muito do PSDB. Nós fazemos gestões corretas, consquentes, avançadas, fizemos um excelente governo com o Fernando Henrique, e podemos dar uma grande contribuição nessa transição dos governos medíocres do PT para um governo moderno e avançado. O PT arruinou o Brasil", afirmou o governador, sob aplausos.

"Sou solidário quando sou chamado a ajudar o meu partido. Eu quero me dedicar 24 horas ao meu partido caso me caiba essa missão", afirmou Marconi aos convencionais durante a convenção em São José. "Eu não quero ser protagonista, sou candidato a ajudar o partido a vencer as eleições, ajudar o partido no Brasil e ajudar o PSDB a trazer de volta a Presidência da República", disse o governador. O discurso da unidade tem dado a tônica das declarações de Marconi desde que ele começou a ser citado como candidato a presidente nacional tucano por lideranças do partido, em julho deste ano.

Marconi agradeceu a recepção dos líderes tucanos catarinenses e disse que a bancada do partido no Estado faz um grande trabalho em prol de Santa Catarina e do Brasil. "Santa Catarina oferece ao Brasil grandes nomes do PSDB. Homens e mulheres públicos comprometidos com a administração, com valores, teses e princípios voltados à melhoria da qualidade de vida da nossa população", disse. "O Brasil se orgulha dessas lideranças, que trabalham muito pelo social, pelo emprego e pelo desenvolvimento", disse.

Em Porto Alegre, o governador de Goiás mais uma vez disse que o PSDB precisa estar unido em torno de um projeto de desenvolvimento econômico e humano para os municípios, os Estados e o País. "Eu prego a unidade, vou lutar até a última hora pela unidade do partido. Quando eu me lancei candidato a presidente do partido, eu procurei, civilizada e educadamente, o senador Tasso Jereissati para me colocar à disposição do partido, pelo respeito que tenho a ele e pelo respeito que ele tem por mim, porque o que me interessa é a vitória no ano que vem, aqui no Rio Grande e para a Presidência da República", disse.

"Eu tenho orgulho de ser tucano e sempre tive coragem para enfrentar o PT em Goiás e no Brasil. Eu tive a coragem de denunciar em 2003 a existência do mensalão, por isso eu fui perseguido durante todos os 13 anos dos governos do PT. Eu tive a coragem em falar para a imprensa nacional que tinha mensalão", disse Marconi. "Como presidente interino do Senado, coloquei em votação a primeira CPI da Petrobras, coloquei em votação da Lei da Ficha Limpa e, como presidente da Comissão de Infraestrutura, convoquei a ministra Dilma para prestar esclarecimentos no Senado", afirmou.

Ainda em Porto Alegre, Marconi disse que vai "continuar lutando para que o PSDB consiga se entender e tome as medidas que precisa ser tomado". "Eu vim aqui para trazer o meu abraço e a minha certeza de que, com diálogo, mas com firmeza, vamos caminhar unidos nas eleições do ano que vem. Discurso de projetos e teses que possam vencer as eleições", afirmou o governador de Goiás na convenção gaúcha.

"O PSDB do Rio Grande do Sul é um partido de grandes teses e programas para o Brasil, representa à altura o povo gaúcho, os brasileiros, e fazem deste Estado um modelo de desenvolvimento econômico e humano para o Brasil", disse o governador. "Temos aqui, historicamente, grande referências de lideranças para o País, graças a um partido que não para de se renovar e inovar, sempre", afirmou Marconi.

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA