logomarcadiariodegoias2017

marconi perillo brasilia presidente da camara dos deputados rodrigo maia fundo previdenciario para os estados foto humberto silva 05O governador Marconi Perillo participou, na tarde de hoje em Brasília, de reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para tratar de assuntos relacionados à Reforma da Previdência, a criação de um Fundo de Compensação Previdenciário e a securitização das dívidas ativas dos estados. O encontro ocorreu às 15 horas na residência oficial da presidência da Câmara, no Lago Sul, e contou ainda com as presenças dos governadores do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg; do Tocantins, Marcelo Miranda; do Acre, Tião Viana; de Alagoas, Renan Filho; de Minas Gerais, Fernando Pimentel; do Piauí, Wellington Dias; do Rio de Janeiro, Luís Fernando Pezão; do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori; de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e de representantes dos governadores de São Paulo e Sergipe.

Em entrevista coletiva à imprensa ao final da reunião, Marconi disse que Maia solicitou empenho dos governadores na construção de uma agenda mínima que possa unificar Estados e o Congresso Nacional em relação às questões previdenciárias. “São assuntos urgentes, uma vez que os déficits estaduais crescem anualmente e estão se tornando insuportáveis”, declarou o governador, ao informar que “a ideia é juntarmos isso tudo em um único pacote, com o apoio dos governadores e tentarmos, ainda em fevereiro ou começo de março, aprovar essa agenda mínima no Congresso Nacional”, afirmou Marconi.

Ele avalia o encontro como produtivo, que poderá resultar em avanços significativos nos próximos dias em relação a temas cruciais para o País. “Eu acredito e torço para que o Congresso Nacional consiga votar a Reforma da Previdência no dia 19. Afinal de contas, a situação da União e dos estados é dramática, o déficit é crescente”, observou. 

Na entrevista, o governador lembrou que “em Goiás nós esperávamos um déficit de R$ 1,96 bilhão para 2017 e ele, só na previdência, foi de R$ 2,09 bilhões. E isso acontece com todos os estados brasileiros. Chegou a hora de nós buscarmos um consenso em torno de uma pauta possível”.

Há algum tempo o governador tem conversado com os deputados federais goianos a fim de convencê-los sobre a gravidade do déficit previdenciário. De acordo com Marconi, “os parlamentares compreendem que algo precisa ser feito. A própria sociedade já começou a ver que é muito grave essa situação. Se não aprovarmos esse conjunto de medidas, não teremos condições de dar sustentabilidade à agenda econômica. Vai chegar um ponto em que a situação vai degringolar de novo”.

Marconi garantiu aos repórteres que não houve pressão do presidente Maia para que os governadores convençam suas bancadas a aprovarem a Reforma da Previdência. “O presidente Maia não nos pediu que pressionássemos nossas bancadas para aprovar a reforma da previdência. Houve uma sugestão de buscarmos conjuntamente estabelecer uma agenda mínima que possa garantir a aprovação desses temas que são importantes do ponto de vista conjuntural e sobretudo estrutural”, garantiu.

No entendimento de Marconi, “não adianta aprovarmos apenas o que é conjuntural, ou seja, socorro momentâneo. É preciso uma agenda que seja estruturante, que garanta uma solução daqui pra frente para os próximos anos”.

Por fim, garantiu que o presidente Maia “tem sido extremamente sensível às reivindicações dos governadores. Mas não dá para aprovar aquilo que atenda apenas os governadores sem resolvermos um problema que atenda o País”.

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

Reportagem Especial

TVDG

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

SEARCH