foto meia ponte vila

Em virtude da escassez hídrica na Bacia do Meia Ponte, o Governo de Goiás decretou situação de emergência por 90 dias e agora definirá, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), as ações de restrição para garantir os usos prioritários da água.

O decreto assinado pelo governador Marconi Perillo levou em consideração os estudos feitos pela Secima, Secretaria de Desenvolvimento (SED) e Saneago, todos apontando a escassez hídrica do Meia Ponte.

Os estudos apontam uma severa estiagem. Entre os anos de 2014 e 2017, houve redução de 25% nos índices de chuva acumulada nos municípios de Goiânia e Santo Antônio de Goiás, sendo este o principal motivo para a atual situação de déficit hídrico.

Além disso, o prognóstico de precipitação para os meses de setembro, outubro e novembro deste ano Região Centro-Oeste também aponta para chuvas abaixo do normal. Devido ao estresse hídrico do Meia Ponte, a Saneago tem captado entre 1.500 e 1.700 litro de água por segundo desde o dia 29 de agosto, índice abaixo dos 2.300 L/s outorgados à empresa.

A situação de emergência leva ainda em consideração a crise de abastecimento público de água que a Região Metropolitana vem enfrentando nos últimos dias, com racionamento no fornecimento de água em alguns bairros da capital. 

Tendo em vista a redução do volume de água do Meia Ponte, fica declarada a situação de emergência por 90 dias. Cabe agora à Secima definir as restrições para o uso de água potável da rede pública para utilização domiciliar, comercial, industrial e de lazer enquanto permanecer a situação de emergência e definir também os índices de redução da captação para as atividades agropecuária, industrial e comercial na Bacia do Meia Ponte.

Com informações da Secima

Leia mais:

Contato com a redação:
(62) 99625-9856

BUSCA