logomarcadiariodegoias2017

Cerimônia de posse de Carlos Marun como ministro. (Imagem: NBR)
carlos marun toma posse como ministro imagem nbr

Na tentativa de gerar um clima de otimismo após o adiamento da votação, o presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (16) que conta com uma "compreensão oculta" dos partidos de oposição pela aprovação da reforma previdenciária.

Em discurso na posse do novo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o peemedebista reconheceu que as mudanças na aposentadoria são uma "matéria dificílima", mas que ajudará o próximo presidente, independentemente de quem seja.

"Naturalmente, devo dizer que acho que temos a compreensão, ainda que oculta, dos líderes da oposição. Essa não é uma questão de governo, é de Estado. Se você conserta o Estado hoje, serve para quem vier depois, e não se sabe quem é", disse.

Na sua primeira fala desde o adiamento para fevereiro, o presidente reconheceu que não conta hoje com os votos suficientes para aprová-la e disse que não poderia levá-la ao plenário sob o risco de constranger publicamente a base aliada.

"Vai ficar para fevereiro? Ótimo, porque aí contamos votos. Não queremos constranger deputados e senadores. Nós estamos contando 270 e 280 votos. Por isso, que se anunciou a transferência para fevereiro", disse.

Apesar da proposta não ser bem avaliada pela população, como mostram pesquisas de opinião, Temer disse acreditar que os deputados governistas voltarão animados do recesso parlamentar, porque perceberão que "não há uma oposição feroz" à iniciativa em suas bases eleitorais.

O presidente pediu ao novo ministro que se dedique "18 horas e se possível 20 horas por dia" para conseguir o apoio que falta para a aprovar a proposta. Segundo ele, Marun, que foi um dos maiores aliados de Eduardo Cunha, tem energia "argumentativa" e "moral" para viabilizar a iniciativa.

Reforma cardíaca

Em seu primeiro discurso no posto, o novo ministro disse que a aprovação da reforma é sua prioridade e disse que o presidente é a "personificação de se fazer política com honra e dignidade".

"O maior dos desafio é a reforma previdenciária. Eu assumo essa função consciente disso. Nós precisamos de uma Previdência mais justa e menos desigual para todos", disse.

Na sua despedida, Antonio Imbassahy brincou com o estado de saúde de Temer, que fez um procedimento cirúrgico nas artérias coronárias em novembro.

Segundo ele, é com alívio que deixa o cargo com "um coração em bom estado". "Até o presidente precisou recorrer a dois stents. Em tempos de reforma, fez uma reforma cardíaca para ficar a todo vapor", disse.

O peemedebista retribuiu a brincadeira e recorreu a verso da música "Disparada", de Geraldo Vandré para responder ao tucano.

"Prepare seu coração, para as coisas que eu vou contar", disse. (Folhapress)

Leia mais:

Sugestões e críticas, mande um Zap para a Redação

whatsapp 512

62 9 9820-8895

+ SAIBA MAIS, PESQUISE NO DG

SEARCH