(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
centrais sindicais contra reforma da previdencia rovena rosa agencia brasil

As centrais sindicais decidiram suspender a greve nacional convocada para terça-feira (5), "após o cancelamento da votação da reforma da Previdência no dia 6", disseram seis entidades -CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB- em nota nesta sexta-feira (1º).

"Diante da informação que a proposta de reforma da Previdência não será votada na próxima semana, decidimos suspender a greve marcada para 5 de dezembro", afirmaram.

A ideia inicial do governo era votar a proposta na quarta-feira (6), mas agora já se trabalha com a data de 13 de dezembro, perto das férias parlamentares.

Na quinta-feira (30), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o governo ainda está longe de atingir o número necessário de votos para aprovar as mudanças.

"Se não tiver voto, não vamos marcar a data. Falta muito, mas ainda não fiz a conta, então não vou falar um número. A base não está articulada como deveria", afirmou.

Levantamento da reportagem mostrou nesta sexta (1º) que o governo não tem os 308 votos favoráveis necessários para aprovar a reforma, uma das principais bandeiras da gestão de Michel Temer.

Ao menos 213 parlamentares devem votar contra a proposta, de acordo com enquete feita entre os dias 27 e 30 de novembro.

"Ressaltamos que a pressão do movimento sindical foi fundamental para o cancelamento da votação", disseram as entidades, afirmando que se manterão "mobilizados e em estado de alerta de greve."

"Intensificaremos também a luta por mudanças na Medida Provisória (MP) da reforma trabalhista, que está em análise no Congresso Nacional."

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA