O PSDB deve excluir de seu estatuto a possibilidade de seus integrantes concorrerem à reeleição de cargos dentro do partido.

A proposta foi apresentada em reunião realizada nesta quinta-feira (30) pelo coordenador jurídico da legenda, deputado Carlos Sampaio (SP).

O assunto será debatido internamente nas próximas semanas e deve ser implementado pela nova executiva da legenda, que será eleita no dia 9 de dezembro.

Se o texto for aprovado, o PSDB acabará com uma tradição antiga, de que os seus presidentes eram reconduzidos ao cargo por mais de um mandato, como é o caso de Sérgio Guerra, que ficou à frente do partido entre 2007 e 2013.

A proposta discutida em reunião desta quinta também prevê que a gestão orçamentária passe das mãos do presidente para a executiva.

Assim, a repartição do "fundão" eleitoral, que deve ser alvo de grande disputa interna, ficaria a cargo do colegiado. Isso terá impacto direto nas eleições de 2018, quando o PSDB terá de decidir quais regras adotará para dividir o dinheiro público entre seus candidatos aos cargos do Executivo e do Legislativo.

A medida tiraria das mãos do governador Geraldo Alckmin (SP) a distribuição dos recursos. O tucano deve assumir o comando do partido no próximo dia 9 e é também o favorito da legenda para concorrer à presidência da República em 2018.

Entre as propostas apresentadas por Sampaio está ainda a criação de um mecanismo de compliance -conjunto de práticas usadas por empresas com o objetivo de dar transparência e maior controle interno.

O texto traz a previsão de um oficial de compliance, cargo que não poderá ser ocupado por nenhum filiado ao partido e nem de seus familiares.

Desembarque

Ao fim do encontro, tucanos evitaram falar sobre a saída do PSDB do governo de Michel Temer. Alckmin deve se reunir com o peemedebista no sábado (2) para debater o assunto.

Ocupante de três pastas da Esplanada, o partido deve ficar apenas com Relações Exteriores, atualmente com Aloysio Nunes. Ele deve permanecer como ministro sob a justificativa de ser uma indicação pessoal de Temer.

Já Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Luislinda Valois (Direitos Humanos) devem deixar os cargos até o dia 9. (Folhapress)

Leia mais:

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA