Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). (Foto: Reprodução/Facebook)
rodrigo maia foto facebook oficial

O governo ainda está longe de atingir o número necessário de votos para aprovar a reforma da Previdência, afirmou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nesta quinta-feira (30), em São Paulo.

"Se não tiver voto, não vamos marcar a data. Falta muito, mas ainda não fiz a conta, então não vou falar um número. A base não está articulada como deveria", disse.

Maia ressaltou a importância do PSDB para a votação, mas sinalizou que as mudanças sugeridas pelo partido dificilmente serão aceitas. "As três propostas feitas inviabilizam a reforma, seriam mais de R$ 100 bilhões de perda do ajuste fiscal."

Os tucanos apresentaram três reivindicações de concessões nas áreas de aposentadoria por invalidez, acúmulo de benefícios e nas regras de transição para servidores públicos.

A estimativa do governo é que a incorporação das mudanças reduziriam para menos da metade a economia esperada com a reforma, que já está em cerca de 60% da redução de gastos prevista no texto original -de R$ 793 bilhões em dez anos, o valor caiu para R$ 476 bilhões com a proposta enxuta apresentada.

A escolha do governador paulista Geraldo Alckmin para presidir o PSDB deverá unificar o partido e sua posição favorável à reforma pode favorecer a aprovação, disse Maia.

"A disputa [dentro do partido] ia acabar influenciando qualquer votação. O governador tem uma liderança forte, isso pode nos ajudar a fazer uma reforma que é urgente."

Maia afirmou que a base do governo ficou desgastada após as duas denúncias contra o presidente Temer. "Mesmo parte daqueles que compreendem a importância da votação não confirmaram."

No domingo (3), o presidente da Câmara receberá em sua residência oficial uma reunião convocada pelo presidente Temer com líderes e presidentes de partidos. A ideia do encontro é mensurar o número de votos favoráveis à reforma.

Nos bastidores, o Palácio do Planalto calcula contar hoje com cerca de 250 votos, número aquém dos 308 necessários para aprová-la.

"É a última oportunidade que o país tem de fazer a reforma sem ter a cortar salários e aposentadorias", disse. (Folhapress)

Leia mais:

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA