nara almeida modelo com cancer foto reproducao instagram

Nara Almeida é modelo e influenciadora digital. Tem 24 anos, 1,60 m e 40 quilos. O baixo peso é consequência de um câncer de estômago que descobriu em agosto -e o tumor se alastrou para o pâncreas e o peritônio. Desde que teve o primeiro diagnóstico, divide com seus 1,9 milhão de seguidores do Instaram -muitos deles famosos como Tatá Werneck e padre Fábio de Melo que lhe mandam com frequência mensagens de apoio- no dia a dia do tratamento.

"As pessoas têm curiosidade de saber como é que funciona a vida de uma pessoa com câncer. E eu compartilho tudo que eu aprendo, inclusive as dificuldades. Isso vai ajudando os outros também", diz em entrevista.

Nara -apelido de Elianara- já era conhecida na rede social antes de descobrir a doença, mas sabe que a maioria dos seus fãs virtuais surgiu após seu relato sobre o choque que sentiu ao ler comentários de meninas elogiando sua magreza viralizar.

"Tô chocada com a quantidade de mensagens que recebi perguntando qual dieta eu fiz pra ficar magrinha, todas elogiando e afirmando que estou com o corpo dos sonhos. A realidade é que estou muito abaixo do meu peso, me sinto cansada, estou com anemia e vários outros problemas", diz o texto publicado na rede social em outubro. 

Por causa da doença, Nara não consegue comer. Se alimenta apenas por meio de uma sonda ligada ao seu corpo pelas narinas e que só sai com cirurgia. "Não como nada. No começo, até conseguia tomar sorvete, mas aí passei a vomitar também. De vez em quando, consigo tomar um pouquinho de água, mas é bem pouco."

MUDANÇA PARA SÃO PAULO

Filha de pais separados, a garota nasceu em Imperatriz, interior do Maranhão, e foi criada pela avó materna desde pequena. A mãe mudou-se de cidade e, por questões financeiras, nunca mais conseguiram se ver. 

Só retomaram contato nos últimos dias, com a vida da mãe para São Paulo, onde Nara mora há dois anos. "Vim pra cá [São Paulo] sozinha para trabalhar como modelo, mas já vim com contratos todos assinados". 

A mudança de cidade coincide com as primeiras dores no estômago. "Mas elas só se intensificaram a ponto de eu procurar um médico no começo deste ano." 

NAMORADO 

Quando descobriu o câncer, o então "ficante" virou namorado. Decidiram morar juntos, no bairro de Pinheiros, próximo ao ICESP (Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira), hospital onde faz o tratamento. 

"Ele resolveu cuidar de mim totalmente. Me trouxe para a casa dele e cuida de mim 24 horas, inclusive a noite, nas vezes que eu passo mal." Pedro Rocha é engenheiro civil e trabalha durante o dia, período em que sua mãe passa na casa do casal, cuidando de Nara. 

Sem plano de saúde, todo o tratamento é feito pelo SUS, mas a garota não tem nenhuma queixa de programa governamental. "Minha médica é ótima e sei que estou muito bem assistida. Não teria tratamento diferente se estive no particular." 

Na medida que consegue, continua fazendo trabalhos como modelo. "Esse é o meu sustento. Preciso desse dinheiro para me manter aqui em São Paulo." 

Para a garota, a maior dificuldade do tratamento é lidar com a depressão ?desde que descobriu o câncer, toma antidepressivos e não consegue dormir sem remédio. 

"Via histórias de câncer em filmes e nunca imaginava que pudesse acontecer comigo. Sempre achei isso uma coisa muito distante. Foi e continua sendo difícil, mas a gente vai se adaptando, vai se acostumando. Muitas meninas que também estão tratando câncer estão vindo falar comigo e essa troca é muito boa." 

Leia mais:

 

 

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA