Bandeira do Acre. (Foto: Sérgio Vale/Secom)
bandeira do acre foto sergio vale secom

No momento em que vive a mais grave crise de sua história e busca abrir espaços para aliados nos Estados, o PT seguirá na contramão em um dos seus principais redutos: o Acre.

O partido, que governa o Estado há 19 anos, lançou nesta terça-feira (28) sua chapa majoritária para as eleições do próximo ano com três petistas para a disputa do governo do Estado e para as duas vagas para o Senado.

O prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), foi anunciado como pré-candidato ao governo. Completam a chapa o senador Jorge Viana (PT), que vai disputar a reeleição, e o atual presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Ney Angelim (PT), que também tentará uma vaga no Senado.

O candidato a vice-governador será o secretário de Segurança Pública do Estado, Emilson Farias, quadro técnico do governo que filiou-se ao PDT no início deste ano.

O governador Tião Viana cumprirá seu mandato até o final e não disputará as eleições de 2018. Citado na delação da Odebrecht, o governador é investigado por crimes eleitorais nas campanhas de 2010 e 2014.

O inquérito, contudo, foi excluído do processo da Lava Jato -o STF (Supremo Tribunal Federal) entendeu que o caso não tinha relação com desvios de recursos na Petrobras.

Reconhecer erros

No ato de lançamento da chapa nesta terça, o pré-candidato Marcus Alexandre afirmou que o seu grupo político deve reconhecer seus erros e buscar soluções para conseguir se manter à frente do governo do Acre.

"O caminho para a vitória é a humildade e o reconhecimento dos erros. Só assim vamos dar passos consistentes nesta caminhada", afirmou. O ex-presidente Lula, provável candidato à Presidência pelo PT, não foi citado no discurso.

Alexandre é o primeiro prefeito de capital ao confirmar pré-candidatura ao governo do Estado -outros nove prefeitos, incluindo os de São Paulo, Salvador e João Pessoa devem disputar as eleições no próximo ano

Eleito para a Prefeitura de Rio Branco em 2012 e reeleito em 2016, Alexandre renunciará em abril do próximo ano, deixando o cargo nas mãos da vice-prefeita Socorro Neri (PSB), que será efetivada no comando da cidade.

O petista vai enfrentar nas urnas o senador Gladson Cameli (PP), que disputará o governo do Estado numa chapa formada pelo ex-deputado Márcio Bittar (PMDB) e o senador Sérgio Petecão (PSD), que tenta a reeleição.

Também disputará o governo o Coronel Ulysses (PEN), que dará palanque à provável candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA