Geraldo Alckmin. (Foto: Eduardo Saraiva/Fotos Públicas)
geraldo alckmin foto eduardo saraiva fotos publicas

Pré-candidato à Presidência da República, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta segunda-feira (27) que os partidos serão coadjuvantes na eleição de 2018.

"Ninguém vai votar em partido. Os partidos estão fragilizados, desgastados. [Os eleitores] vão votar nas pessoas", disse o tucano ao participar de seminário promovido pela revista "Veja".

A afirmação foi feita após uma pergunta sobre os arranhões na imagem de seu partido, o PSDB, que Alckmin poderá presidir a partir de dezembro.

Como a Folha de S.Paulo publicou, o senador Tasso Jereissati (CE) abriu mão da candidatura para a direção da legenda em nome do governador de São Paulo

O governador paulista, entretanto, foi pouco explícito sobre a possibilidade durante o evento e disse que o assunto está sendo discutido internamente. "Pode [ser meu nome ou] pode ser outro também."

Para Alckmin, a crise de representatividade nas democracias é geral e se repete em outros países. Ele acredita, no entanto, que há "gente boa" em muitos partidos.

"Decidido quem for o candidato [do PSDB], tem que fazer alianças e um movimento em torno de uma proposta, [...] um movimento para o Brasil crescer."

O tucano seguiu: "Não há modelo político pior do que o do Brasil. Falido, falido. Isso é um fato".

Alckmin também foi questionado sobre o pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) para abrir inquérito contra ele, com base na delação da Odebrecht. O governador é acusado de receber, por meio de um cunhado, recursos de caixa dois nas eleições de 2010 e 2014.

"Minhas campanhas sempre foram baratas, econômicas e rigorosamente dentro da lei", disse ele, defendendo a "transparência total".

"Eu tenho consciência absolutamente tranquila."

Doria

Alckmin disse que apoiaria o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), se ele fosse escolhido pelo partido para disputar a Presidência.

Antes, no mesmo evento promovido pela revista, o afilhado político do governador desconversou sobre a eleição do ano que vem e disse querer evitar um embate com Alckmin.

"Nunca me apresentei como pré-candidato a presidente da República", afirmou Doria. Ele defendeu que se apresente uma candidatura de centro —nas palavras dele, necessária para o país.

"Não quero desrespeitar nenhum candidato nem à esquerda nem à direita, mas o Brasil precisa ir para a frente", afirmou, clamando por um projeto liberal, que busque um Estado mais eficiente e esteja disposto a fazer privatizações.

"Eu estarei apoiando essa corrente, e para isso eu não preciso nem me autocandidatar nem me autovalorizar nem me colocar dentro desse contexto."

Doria reiterou sua "estima e profunda admiração" por Alckmin, "um homem, probo, decente, correto". "Não há a menor hipótese de me contrapor ou estabelecer qualquer linha de fissura ou distanciamento com o governador de São Paulo."

O prefeito, nos últimos dias, recuou do projeto presidencial e passou a admitir que pode disputar o governo do Estado no ano que vem.

Durante sua participação no seminário, porém, Alckmin afirmou que Doria "ainda não disse que não pretende" concorrer ao Planalto. (Folhapress)

Leia mais:

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA