Menino desmaiou na escola Cruzeiro no DF (Foto: Reproducao You Tube)
escola cruzeiro df reproducao you tube

Leninha, 38, mora com o marido, cinco filhos e um neto no Paranoá Parque, condomínio do Minha Casa Minha Vida que abriga mais de 6.000 famílias na região nordeste do Distrito Federal.

Apertada em 46 m² (um apartamento funcional de deputado federal tem 200 m²), a família sobrevive, diz ela, com cerca de R$ 500 por mês vindos em parte do Bolsa Família, em parte das vendas de um bazar improvisado na avenida principal do condomínio.

A situação da mulher não é incomum no empreendimento, que entrou em foco na semana passada, depois que um menino de oito anos desmaiou de fome durante a aula, em uma escola a 30 km de casa, no Cruzeiro.

Moradores do local relataram à reportagem falta de escolas, atendimento médico e infraestrutura básica no condomínio que dista cerca de 20 km da praça dos Três Poderes, centro do poder brasileiro.

"Não tem nem uma cobertura para as crianças esperarem o ônibus", diz Ana Paula Alves, 38, mãe de quatro filhos, enquanto espera, sob forte chuva, a condução que levará o de oito anos para a Escola Classe 8, a mesma do garoto que desmaiou de fome.

Lá, à tarde, estudam apenas crianças vindas do Paranoá Parque, realocadas para escolas distantes por causa da inexistência de escolas no conjunto habitacional e da falta de vagas em unidades mais próximas, como as da região administrativa do Paranoá.

Um ônibus escolar busca os alunos às 12h40 e chega à escola por volta das 13h30. Muitas das crianças, diz Alves, saem de casa sem almoçar.

É o caso do menino que passou mal na segunda-feira (13), e teve de ser atendido pelo Samu. A criança vive com a mãe, desempregada, e cinco irmãos em um dos apartamentos de dois quartos e um banheiro.

Quando a reportagem visitou o local, na quinta (23), quase todas, com idades de 3 a 13 anos, estavam em um sofá improvisado. Só o menino de oito anos não estava: após o episódio na escola, foi com Leidiane, a mãe, fazer exames no hospital.

"Ele não tinha almoçado, mas tinha comido angu [mingau de fubá], que é forte", diz Leonildo Silva, 23, que se identificou como marido de Leidiane. Segundo ele, foi a primeira vez que uma das crianças se queixava de fome.

Disse, porém, que a família está em dificuldades financeiras desde que se mudou para o Paranoá Parque no final do ano passado.

A renda familiar vem basicamente dos benefícios que Leidiane recebe, como o Bolsa Família, e totaliza R$ 946 –R$ 118 por pessoa ao mês. A família acumula uma dívida com o condomínio, de cerca de R$ 700, diz Silva.

Uma vizinha, que não quis se identificar, disse que as meninas mais velhas costumam levar a caçula, de três anos, para almoçar em sua casa.

'SOLUÇÃO TEMPORÁRIA'

Procurada, a Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal disse que não há déficit de vagas escolares no Estado e que "o deslocamento para duas escolas do Cruzeiro e uma do Lago Norte foi a saída encontrada para que as crianças do Paranoá Parque não fiquem sem estudar".

A pasta também afirmou que a solução é "temporária", e que "assim que existir recursos, serão construídas escolas no conjunto". Desde o ocorrido, a Classe 8, que servia um lanche às 15h30, passou a oferecer almoço assim que os alunos chegam à escola.

Outra questão que preocupa os moradores é o emprego. Para Alves, a distância do Plano Piloto, onde se concentram os empregos, é um complicador. "Precisa pegar uns quatro ônibus pra ir e voltar, e empresa nenhuma quer pagar tanto vale transporte. Ou a gente mente onde mora e paga para trabalhar, ou não consegue", diz.

Os moradores do local também se preocupam com a escassa oferta de assistência médica. "Antes a gente tinha o postinho, mas tiraram a gente de lá", diz Leninha.

Ela se refere ao posto de saúde mais próximo, que fica fora do empreendimento, mas onde os moradores se consultavam até o final de setembro. Desde então, eles são orientados a fazer os exames no Hospital Regional do Paranoá, que também recebe pacientes de outros locais.

Às 13h de quinta (23), a sala de espera da emergência do hospital estava lotada. Elenilda Moreira, 37, esperava desde as 9h uma maca para o filho Lucas, 18, que aguardava sobre um banco de pedra. "A febre dele está muito alta, ele está vomitando, estou com medo de ter uma convulsão", afirmou a mãe, moradora do Paranoá Parque.

Outros pacientes, que afirmaram esperar desde a madrugada por atendimento, disseram que havia apenas um médico na unidade.

Procurada, a Secretaria de Saúde afirmou que 16 médicos estavam de plantão e que o hospital realiza em média 300 atendimentos por dia.

Também afirmou que a população do conjunto "não está desassistida" e que o atendimento na policlínica do hospital regional "é temporário" e que licitação para construir uma unidade de atendimento para o Paranoá Parque está prevista para acontecer em janeiro de 2018.

"A gente fica aqui jogado, ao Deus dará. Não tem escola, creche, emprego, nada", completa Batista.

(FOLHA PRESS)

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA