Foto: Lula Marques/ AGTP
temer foto lula marques agpt

O presidente Michel Temer mudou de ideia e decidiu nomear o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) para chefiar a articulação política do Palácio do Planalto, como ministro da Secretaria de Governo.

Na noite de terça-feira (21), em conversa com parlamentares da base aliada, o peemedebista foi convencido a recuar na permanência do ministro Antônio Imbassahy na pasta.

Para oficializar a nomeação, o presidente se reuniu com Marun na manhã desta quarta-feira (22), quando o parlamentar disse que não pretende ser candidato à reeleição, condição estabelecida por Temer para a escolha.

O novo ministro será anunciado na tarde desta quarta (22), antes de um jantar do presidente com deputados governistas para tentar costurar a votação da reforma previdenciária.

Marun foi indicado pela bancada do PMDB na Câmara. Ele foi o principal líder da tropa de choque do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no processo que levou à cassação e à prisão do parlamentar fluminense.

O nome de Marun enfrentava resistência de alguns partidos, como o PR e o PSD, que chegaram a sugerir nos bastidores a manutenção de Imbassahy no posto.

O próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendia a manutenção do ministro tucano.

A maioria dos partidos da base aliada, entretanto, cobrava a saída do tucano do posto desde que o PSDB começou a se afastar do governo.

Temer chegou a admitir a permanência de Imbassahy, mas decidiu bater o martelo em um esforço para destravar a votação da reforma da Previdência.

Aliados de Temer acreditavam que a permanência do tucano inviabilizaria a conquista de votos para aprovar a proposta.

Leia mais:

 

 

 

 

 

 

 

Contato com a redação:
(62) 9 9820-8895

BUSCA